André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

'Acreditamos na aprovação da reforma da Previdência', diz Meirelles

O ministro da Fazenda ainda garantiu o reajuste do Bolsa Família e a meta fiscal de déficit de R$ 159 bilhões no próximo ano

Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

14 Novembro 2017 | 12h32

BRASÍLIA - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, repetiu que acredita na aprovação da reforma da Previdência ainda este ano e garantiu que o governo fará os cortes de gastos que forem necessários para o cumprimento da meta fiscal de 2018. O ministro também assegurou o reajuste do Bolsa Família no próximo ano.

Ao defender a aprovação da Reforma da Previdência, Meirelles mais uma vez citou países - como a Grécia - nos quais os governo precisaram cortar os valores das aposentadorias. "O nosso objetivo principal é garantir a todos os brasileiros que eles tenham segurança de que vão receber a sua aposentadoria no valor integral", afirmou o ministro, em entrevista à rádio Jovem Pan. 

+ FERNANDO DANTAS: De volta ao estelionato

Meirelles disse ser prematuro comentar alternativas à reforma, porque, segundo ele, a expectativa de aprovação do projeto seria muito grande. "Acreditamos que esse assunto será tratado com responsabilidade e acreditamos na aprovação pelo Congresso, que é soberano", acrescentou. 

Em todo caso, o ministro garantiu que a meta fiscal de déficit de R$ 159 bilhões no próximo ano será cumprida e avisou que o governo fará todos os cortes de gastos necessários para isso. "A meta fiscal do próximo ano será atingida de qualquer maneira, porque nós temos o compromisso e cortes adicionais de despesas serão efetuados, se necessário", respondeu. 

+ Governo prepara desbloqueio de pelo menos R$ 5 bi do Orçamento

Ele explicou que a Reforma da Previdência não tem um alívio de despesas imediato para o próximo ano, mas indica uma trajetória para os gastos nos anos seguintes. "A economia é muito formada pelas expectativas dos consumidores e dos investidores. Se todos começam a achar que governo terá dificuldades em pagar as suas contas sem a reforma, isso começa a abalar a confiança na economia", afirmou o ministro. 

+ 'Com toda certeza, vamos terminar as reformas neste governo, quem sabe este ano', diz Temer

Por isso, acrescentou, Meirelles, a aprovação da Reforma da Previdência ainda este ano ajudaria a mostrar aos agentes econômicos que o governo terá contas sustentáveis no futuro. "Esse é o impacto maior que pode haver a partir de 2018 com a reforma", arrematou. 

Apesar de já deixar claro que despesas serão cortadas em 2018, Meirelles garantiu o reajuste do Bolsa Família no próximo ano. "O aumento do Bolsa Família está previsto e é necessário por justiça social", considerou.

Questionado sobre a possibilidade de aumentos de impostos para se chegar à meta fiscal do próximo ano, o ministro citou que já existem propostas "muito específicas" no Congresso, como o projeto enviado pelo governo para a tributação de fundos exclusivos. 

"Trabalhamos a Reforma Tributária e esperamos que haja acordo entre parlamentares, Estados, municípios e o Executivo. A finalidade da reforma é simplificar sistema e não aumentar imposto", ressaltou. Meirelles negou ainda que o governo planeje novas isenções do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). 

 

Mais conteúdo sobre:
Henrique Meirelles Bolsa Família

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.