Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » Acreditando nas pessoas de olhos fechados

Economia & Negócios

JIim Urquhart|Reuters

Economia

Acreditando nas pessoas de olhos fechados

A tecnologia por trás do bitcoin, que permite que indivíduos que nem se conhecem possam confiar uns nos outros, está indo muito além da criptomoeda

0

The Economist

31 Outubro 2015 | 05h29

Em 2009, quando a polícia hondurenha apareceu para despejá-la, fazia trinta anos que Mariana Catalina Izaguirre morava em sua casinha humilde. Ao contrário de muitos de seus vizinhos na capital Tegucigalpa, ela tinha até uma escritura atestando que o terreno lhe pertencia. Mas nos livros do Instituto de la Propriedad, o imóvel estava registrado em nome de outra pessoa também — e essa pessoa convenceu um juiz a assinar a ordem de despejo. Quando o embrulho jurídico finalmente foi desatado, a casa de Izaguirre tinha sido demolida.

Esse é o tipo de coisa que acontece diariamente em lugares onde os registros de imóveis são mal conservados, mal administrados e/ou corruptos — vale dizer, em grande parte do planeta. A fragilidade dos direitos de propriedade é fonte endêmica de insegurança e injustiça. Também dificulta o uso de uma residência ou de um terreno como garantia na contratação de empréstimos, restringindo os investimentos e a criação de empregos.

Tais problemas parecem completamente alheios ao universo do bitcoin, uma moeda baseada em engenhoso sistema de criptografia que conta com um grupo dedicado de seguidores entre geeks em sua maioria ricos, com frequência animados por ideologias anti-estatais e, por vezes, criminosos. Mas a tecnologia por trás do bitcoin, chamada de “blockchain” (literalmente, corrente, ou cadeia, de blocos), tem aplicações que vão muito além daquelas a que se presta uma moeda, oferecendo a pessoas que não se conhecem, nem confiam umas nas outras, a possibilidade de criar um registro que, especificando quem é proprietário de quê, obriga a anuência de todos os envolvidos. É uma maneira de estabelecer e preservar verdades.

Daí que os políticos que querem reformar o Instituto de la Propriedad de Honduras tenham solicitado à startup americana Factom o desenvolvimento de um protótipo de registro de imóveis baseado na tecnologia blockchain. A ideia atraiu o interesse da Grécia, onde não há cartórios de imóveis propriamente ditos e apenas 7% do território é mapeado.

Um lugar no passado. A blockchain, assim como tecnologias similares, que também funcionam como “livros-razões distribuídos”, pode ser empregada com muitas finalidades: de frustrar a ação de ladrões de diamantes a modernizar e simplificar o funcionamento das bolsas de valores: a Nasdaq em breve adotará um sistema baseado na blockchain para registrar transações com ações de empresas de capital fechado. O Banco da Inglaterra, cujo entusiasmo por novidades tecnológicas nunca foi dos maiores, dá sinais de empolgação: a instituição conclui uma nota de pesquisa divulgada no fim do ano passado afirmando que os livros-razões distribuídos constituem uma “inovação significativa”, com possíveis “implicações de longo alcance” para o setor financeiro.

Os engajados em atividades políticas veem a blockchain indo mais longe que isso. Em maio, quando cooperativas e esquerdistas se reuniram em Paris no OuiShare Fest para debater de que maneira organizações sociais poderiam combater repositórios gigantes de dados, como o Facebook, foram raros os discursos que não citaram a blockchain. Os ultraliberais sonham com um mundo onde as regulamentações estatais sejam cada vez mais substituídas por contratos firmados entre indivíduos, contratos que, graças a programações baseadas na blockchain, devem se encarregar de garantir seu próprio cumprimento.

A tecnologia blockchain nasceu na cabeça de Satoshi Nakamoto, o brilhante, pseudônimo e até o momento não identificado criador do bitcoin – “uma versão puramente peer-to-peer de dinheiro eletrônico”, como ele o descreveu em artigo de 2008. Para que pudesse funcionar como dinheiro, o bitcoin tinha de trocar de mãos sem correr o risco de ser desviado para a conta errada e não podia ser gasto duas vezes pela mesma pessoa. Além disso, para que um sistema descentralizado, como o sonhado por Nakamoto, ganhasse vida, era preciso que tais abusos fossem coibidos sem o auxílio de terceiros dignos de fé, como os bancos que oferecem respaldo aos sistemas de pagamentos convencionais.

É a blockchain que faz as vezes desses terceiros dignos de fé. Por ser um banco de dados que contém o histórico de pagamento de cada bitcoin em circulação, a blockchain comprova quem é proprietário de quê. Esse livro-razão distribuído é replicado em milhares de computadores – os nodes (“nós de ligação”) do bitcoin – espalhados pelo mundo, e pode ser consultado por qualquer pessoa. Mas, apesar de toda transparência e acessibilidade, também é confiável e seguro. Isso é viabilizado por uma mistura de perspicácia matemática e força bruta computacional, incorporada a seu “mecanismo de consenso” — o processo por meio do qual os nodes entram em acordo sobre como atualizar a blockchain à luz das transferências de bitcoins de uma pessoa para outra.

Digamos que Alice queira pagar a Bob por serviços que ele prestou a ela. Ambos têm “carteiras” de bitcoins – um software que acessa a blockchain quase como um navegador acessa a internet, mas sem identificar o usuário para o sistema. A transação começa com a carteira de Alice propondo que a blockchain seja modificada, passando a indicar que agora ela própria tem menos bitcoins e que a carteira de Bob ficou um pouco mais cheia.

A rede realiza uma série de passos para confirmar a modificação. À medida que a proposta se propaga, os vários nodes da rede verificam, por meio de consultas ao livro-razão, se Alice tem mesmo os bitcoins. Se tudo parecer correto, nodes especializados, chamados “mineiros”, juntarão a proposta de Alice a outras transações igualmente dignas de crédito a fim de criar um novo bloco para a blockchain.

Isso implica a alimentação contínua de dados por meio de uma função “hash” criptográfica (aplicação de um algoritmo a um conjunto de caracteres, sem levar em consideração seu significado), que transforma o bloco numa sequência de dígitos de determinada extensão. Como é comum em criptografia, esse hashing é uma via de mão única. O caminho que vai dos dados a seu hash é fácil de ser feito, mas não há como percorrer o caminho de volta, que vai do hash aos dados. Apesar de não os conter, o hash é único em relação aos dados. A alteração mais mínima no bloco — a mudança de um único dígito de uma transação, por exemplo — produz um hash diferente.

Rodando na sombra. O hash é inserido, junto com alguns outros dados, no cabeçalho do bloco proposto. Esse cabeçalho torna-se, então, base de um complicado enigma matemático, que envolve mais uma vez a utilização da função hash, e que só pode ser solucionado por tentativa e erro. Os mineiros da rede se põem a processar trilhões e trilhões de possibilidades, à procura da solução. Quando um deles chega a ela, os outros nodes rapidamente começam a verificá-la (aqui, mais uma vez, a via é de mão única: solucionar o enigma é difícil; verificar se a solução está correta é fácil) e o bloco é então atualizado por cada um dos nodes que confirma a solução. O hash do cabeçalho passa a ser a sequência que identifica o novo bloco, e esse bloco agora faz parte do livro-razão. O pagamento de Alice a Bob, e todas as outras transações contidas no bloco, está confirmado.

A etapa do enigma introduz três elementos que contribuem imensamente para a segurança do bitcoin. Um deles é o acaso. Não há como prever qual dos mineiros solucionará o enigma, de modo que é impossível predizer qual deles será responsável pela atualização do bloco em determinada ocasião. A única coisa que se pode afirmar é que será um mineiro diligente, e não um intruso aleatório. Isso dificulta fraudes.

A segunda contribuição diz respeito à história. Cada novo cabeçalho contém um hash do cabeçalho do bloco anterior, que, por sua vez, contém um hash do cabeçalho precedente, e assim por diante, até chegar ao cabeçalho do primeiro bloco, o chamado “bloco gênese”. É essa concatenação que dispõe os blocos numa corrente. Partindo-se de todos os dados contidos no livro-razão é fácil reproduzir o cabeçalho do último bloco. Mas, experimente-se fazer uma mudança em qualquer lugar, e o cabeçalho do bloco que foi alterado será diferente, o que significa que o cabeçalho do bloco seguinte também se modificará e assim como os blocos subsequentes. O livro-razão não estará mais de acordo com o identificador do bloco mais recente, e será rejeitado.

Há alguma maneira de contornar isso? Imagine-se que Alice muda de ideia em relação a pagar Bob e tenta reescrever a história para que os bitcoins permaneçam em sua carteira. Se fosse uma mineira competente, ela seria capaz de solucionar o enigma e produzir uma nova versão da blockchain. Mas enquanto fizesse isso, o restante da rede teria acrescentado novos blocos à blockchain original. E os nodes sempre trabalham com a versão mais longa da blockchain. Essa regra impede que os momentos em que dois mineiros encontram quase simultaneamente a solução para um enigma produzam algo mais grave do que uma bifurcação temporária na corrente. Também evita fraudes. Para obrigar o sistema a aceitar sua nova versão, Alice teria de encompridá-la mais, e a um ritmo mais veloz, do que o restante do sistema faria com a versão original. Sem controlar mais da metade dos computadores da rede – algo que no jargão do meio é chamado de “ataque dos 51%” –, isso não é possível.

Os sonhos às vezes são contagiantes. Deixando de lado as dificuldades enfrentadas por quem queira tentar subverter a rede, a questão é: por que se dar o trabalho de participar dela? Porque o terceiro elemento que a etapa da solução de enigmas acrescenta ao sistema é um incentivo. Novos blocos geram novos bitcoins. O mineiro vencedor recebe 25 bitcoins, os quais, pela cotação atual, valem US$ 7,5 mil.

Em si mesma, essa engenhosidade toda não faz do bitcoin uma moeda particularmente atraente. Sua cotação é instável e imprevisível; o montante total em circulação é deliberadamente limitado. Mas o mecanismo da blockchain funciona muito bem. Segundo o site blockchain.info, que registra esse tipo de coisa, diariamente são acrescentadas, em média, mais de 120 mil transações à blockchain, com cerca de US$ 75 milhões trocando de mãos. Atualmente há 380 mil blocos; o livro-razão tem quase 45 gigabytes.

A maior parte dos dados contidos na blockchain diz respeito a bitcoins. Mas não precisa ser assim. Nakamoto criou o que os geeks chamam de “plataforma aberta” — um sistema distribuído cujo funcionamento está aberto a exame e elaborações. O paradigma desse tipo de plataforma é a própria internet; outros exemplos incluem sistemas operacionais como o Android ou o Windows. Assim, é possível desenvolver aplicativos que façam uso de características básicas da blockchain sem que seja necessário pedir autorização ou pagar a alguém por esse privilégio. “A internet finalmente tem um banco de dados público”, diz Chris Dixon, da empresa de capital de risco Andreessen Horowitz, que financiou diversas startups de bitcoin, incluindo a fornecedora de carteiras bitcoin Coinbase e a 21, que produz hardwares de mineração de bitcoins para leigos.

Por ora, as possibilidades de utilização com base na tecnologia blockchain resumem-se a três categorias. A primeira tira partido do fato de que a blockchain permite transferências de qualquer tipo de ativo. A Colu, uma das startups que aposta nessa ideia, desenvolveu um mecanismo para “marcar” transações extremamente pequenas de bitcoins (chamadas “poeira de bitcoin”), acrescentando dados adicionais a fim de que possam representar títulos de dívida, ações de empresas ou unidades de metais preciosos.

A proteção a escrituras de imóveis é um exemplo da segunda categoria: aplicativos que usam a blockchain como uma espécie de máquina da verdade. As transações de bitcoins podem ser combinadas com pequenos extratos de informação adicional que, dessa forma, também se incorporam ao livro-razão. Servem, portanto, como registro de qualquer coisa que valha a pena acompanhar de perto. A Everledger usa a tecnologia blockchain para proteger artigos de luxo, introduzindo, por exemplo, dados sobre as características de determinada pedra preciosa, o que oferece prova inquestionável de sua identidade, caso ela venha a ser roubada. A Onename armazena informações pessoais de uma maneira que torna dispensável o uso de senhas; o CoinSpark funciona como tabelião. Observe-se, porém, que nessas utilizações, ao contrário do que ocorre com as transações de bitcoin puras, faz-se necessário algum grau de confiança; a pessoa precisa acreditar que o intermediário armazenará os dados com precisão e fidedignidade.

É a terceira categoria que inclui as utilizações mais ambiciosas: “contratos inteligentes” que se executam a si mesmos, de forma automática, em determinadas circunstâncias. O bitcoin pode ser “programado”, de modo a se tornar disponível somente sob certas condições. Um dos usos dessa funcionalidade é a postergação dos pagamentos a que os mineiros têm direito por solucionar um enigma, até que outros 99 blocos sejam acrescentados — coisa que oferece mais um incentivo para manter a blockchain em bom estado.

O Lighthouse, projeto iniciado por Mike Hearn, um dos principais programadores do bitcoin, é um serviço descentralizado de crowdfunding que faz uso desses princípios. Se determinado projeto recebe recursos em quantidade suficiente, ele é executado; se a meta não é alcançada, não sai do papel. Hearn diz que o esquema é mais barato do que o de concorrentes que não fazem uso da tecnologia bitcoin, além de ser mais independente, sendo impossível para autoridades governamentais bloquear um projeto pelo qual não tenham simpatia.

A energia contamina. O advento de livros-razão distribuídos abre “um quadrante inteiramente novo de possibilidades”, diz Albert Wenger, da empresa nova-iorquina de capital de risco USV, que investiu em startups como a OpenBazaar, um mercado peer-to-peer sem intermediários. No entanto, por mais aberta e empolgante que seja a tecnologia blockchain, os céticos argumentam que não há como excluir terminantemente a possibilidade da ocorrência de falhas. E dizem também que talvez seja inviável conferir escala a seus procedimentos. Embora funcione para o bitcoin e alguns outros fins específicos, a tecnologia pode não ter condições de suportar milhares de serviços diferentes com milhões de usuários.

Até o momento, o design engenhoso de Nakamoto tem se mostrado inexpugnável, mas pesquisadores identificaram táticas que um mineiro ardiloso, com bolsos fornidos, poderia utilizar para comprometer a corrente de blocos mesmo sem controlar 51% da rede. E já não parece tão improvável que alguém seja capaz de assumir o controle de uma fatia significativa dos recursos da rede. Se até algum tempo atrás, a mineração de bitcoins era uma atividade de diletantes, agora é dominada por “cooperativas”, em que pequenos mineiros compartilham esforços e recompensas, e por operadoras de grandes centros de processamento de dados, muitos deles sediados em regiões da China, como a Mongólia Interior, onde eletricidade é barata.

Outra preocupação é o impacto ambiental. Sem dispor de outros meios para se certificar da honestidade dos mineiros, a arquitetura bitcoin os obriga a realizar grande volume de operações computacionais complexas; essa “prova de trabalho”, sem a qual não há recompensa, garante que todos os envolvidos estejam comprometidos com o bom funcionamento do sistema. Mas a consequência é que, em busca da solução para os enigmas propostos, procede-se a quantidade imensa de processamento inútil. Segundo o site blockchain.info, os mineiros da rede hoje experimentam 450 mil trilhões de soluções por segundo. E em cada um desses cálculos gasta-se energia.

Como os mineiros mantêm as características de seus equipamentos de hardware em segredo, ninguém sabe quanta energia a rede consome. Se todos usassem os equipamentos mais eficientes, é possível que o consumo anual de eletricidade fosse de dois terawatts-hora — pouco mais que a energia consumida pelos 150 mil habitantes de King’s County, na Califórnia. Mas, fazendo-se suposições mais pessimistas em relação à eficiência dos mineiros, a conta pode chegar a 40 terawatts-hora, quase dois terços do que consomem os 10 milhões de habitantes do condado de Los Angeles. Esse número certamente superestima o problema; mesmo assim, quanto mais disseminada for a utilização do bitcoin, maior será o desperdício de energia.

Apesar dessa prodigalidade toda, porém, o bitcoin permanece limitado. Como Nakamoto optou por restringir o tamanho dos blocos a um megabyte, ou o correspondente a cerca de 1,4 mil transações, apenas sete transações são processadas por segundo, bem menos que as 1.736 mil transações por segundo que a operadora Visa realiza nos Estados Unidos. Seria possível ampliar o tamanho dos blocos; porém blocos maiores levariam mais tempo para se propagar pela rede, aumentando os riscos de bifurcação.

Plataformas anteriores superaram problemas semelhantes. Nos anos 90, quando a invenção dos web browsers permitiu que milhões de pessoas passassem a navegar online, alguns especialistas previram que a internet acabaria completamente congestionada: eppur si muove. Da mesma forma, o sistema bitcoin não está se imobilizando. Há computadores especializados em mineração extremamente econômicos no consumo de energia; e alternativas, em que o uso de energia é menor, têm sido propostas ao mecanismo da prova de trabalho. Os desenvolvedores também trabalham numa extensão chamada “Lightning”, que se encarregaria de processar grande quantidade de transações menores fora da blockchain. Conexões mais velozes permitirão que a propagação de blocos maiores seja tão rápida quanto a dos atuais.

O problema, porém, é menos a falta de alternativas, do que o fato de que o “processo de aperfeiçoamento do bitcoin” dificulta que uma delas seja escolhida. As mudanças dependem da aprovação da comunidade de usuários, os quais, no caso, não são do tipo que chegam com facilidade a consensos. No momento, por exemplo, há uma guerra civil em curso por conta do tamanho dos blocos. Um dos lados receia que seu aumento repentino leve a uma concentração ainda maior no setor de mineração, transformando o bitcoin num sistema de processamento de pagamentos mais convencional. O outro lado argumenta que, se nada for feito, há o risco de que o sistema entre em pane já no ano que vem, com as transações passando a levar horas para serem efetivadas.

Uma pausa na batalha. Hearn e Gavin Andresen, outro maioral no universo bitcoin, lideram o grupo favorável a blocos grandes. Os dois fizeram um apelo às empresas de mineração para que instalassem uma versão nova do bitcoin, que suporta tamanhos de blocos muito maiores. No entanto, alguns dos mineiros que fizeram isso parecem estar sendo alvo de ciberataques. E, no que parece ser um esforço concertado para expor a necessidade, ou os perigos, de tal upgrade, um número imenso de transações minúsculas tem feito o sistema operar em seu limite máximo de capacidade.

Tudo isso emprestou novo vigor às tentativas de criar uma alternativa ao bitcoin, com o desenvolvimento de uma blockchain voltada antes para o armazenamento de livros-razões distribuídos, do que para a circulação de uma criptomoeda. Produto da Coin, outra startup do segmento, a MultiChain mostra que isso é possível: trata-se de uma plataforma que permite ao usuário desenvolver sua própria blockchain. Além de oferecer as ferramentas para a criação de uma blockchain pública, como a do bitcoin, a plataforma pode ser utilizada para criar correntes de blocos privadas, abertas apenas a usuários cuja confiabilidade tenha sido previamente atestada. Se todos os usuários da rede são confiáveis, então a necessidade dos mecanismos de mineração e de prova de trabalho é reduzida, ou mesmo eliminada, e a associação de uma moeda ao livro-razão passa a ser um acessório opcional.

É bem capaz que o primeiro setor da economia a adotar esses filhotes da blockchain seja o mesmo cujas falhas serviram de motivação original para o trabalho de Nakamoto: o financeiro. Nos últimos meses, os banqueiros têm demonstrado entusiasmo com a possibilidade de usar blockchains privadas para manter livros-razões à prova de manipulações indevidas. Um dos motivos, ironia das ironias, é que essa tecnologia, nascida do ultraliberalismo antiestatal, pode facilitar o cumprimento de exigências regulatórias que obrigam os bancos a ter um conhecimento mais aprofundado de seus clientes, além de auxiliar na observância das normas contra a lavagem de dinheiro. Mas há um apelo mais profundo.

Historiadores econômicos observam que é frequente que o surgimento de novos potenciais anteceda em muito o desenvolvimento dos processos que melhor uso farão deles. Em seu relatório sobre moedas digitais, o Banco da Inglaterra vê algo parecido prestes a acontecer no setor financeiro. Graças ao barateamento do poder de processamento, as instituições financeiras tornaram digitais seus procedimentos internos; mas ainda não mudaram suas organizações de maneira correspondente. Os sistemas de pagamentos ainda são majoritariamente centralizados: as transferências são compensadas por autoridades monetárias. Quando duas instituições financeiras fazem um negócio entre si, o trabalho pesado envolvido na sincronização de seus livros-razões internos pode levar dias para ser concluído, obstruindo capital e aumentando o risco.

Livros-razões distribuídos que processam transações em minutos ou segundos podem contribuir muito para solucionar esse tipo de problema e realizar a grande promessa de tornar as atividades bancárias efetivamente digitais. Também podem ajudar os bancos a economizar muitos recursos. Segundo o Santander, até 2022 esses livros-razões permitiriam aos bancos reduzir seus custos em até US$ 20 bilhões por ano. Os fornecedores de blockchains ainda precisam dar mostras de que seriam capazes de lidar com taxas de transações muito mais elevadas do que a do sistema bitcoin; mas os grandes bancos já pressionam pela adoção de parâmetros que moldem a tecnologia emergente. Um deles, o UBS, propõe a criação de uma “moeda de compensação” padrão. A primeira tarefa da R3 CEV, uma startup de blockchain que recebeu investimentos do UBS — assim como do Goldman Sachs, JPMorgan e outros 22 bancos — é desenvolver uma arquitetura padronizada para livros-razões privados.

Essa ordem de problema não afeta apenas instituições financeiras. Empresas e órgãos públicos de todos os tipos penam com bancos de dados de difícil manutenção, os quais com frequência são incompatíveis entre si. Isso para não falar nos altos custos para fazê-los conversar uns com os outros. Esse é o problema que o Ethereum, provavelmente o mais ambicioso dos projetos de livro-razão distribuído, pretende resolver. Criação do programador-prodígio Vitalik Buterin, um canadense de 21 anos, o livro-razão distribuído do Ethereum é capaz de lidar com mais dados do que o do bitcoin. E vem com uma linguagem de programação que permite aos usuários elaborar contratos inteligentes mais sofisticados, gerando faturas que se pagam por conta própria quando a encomenda chega às mãos do cliente, ou emitindo certificados de ações que enviam dividendos aos investidores se os lucros atingem determinado patamar. Tamanha engenhosidade, espera Buterin, possibilitará a formação de “organizações autônomas e descentralizadas” — companhias virtuais que serão, basicamente, apenas conjuntos de regras rodando na blockchain do Ethereum.

O tipo de programabilidade oferecido pelo Ethereum não permite apenas rastrear e registrar a propriedade das pessoas. Possibilita também que ele seja usado de novas maneiras. Chaves de carros incorporadas à blockchain do Ethereum poderiam ser vendidas ou alugadas segundo um sem-fim de procedimentos baseados em regras pré-determinadas, viabilizando novos esquemas peer-to-peer de aluguel e compartilhamento de veículos. Indo mais além, há quem fale em usar a tecnologia para fazer com que os futuros carros autônomos não apenas se autoconduzam, como sejam proprietários de si mesmos. Os veículos poderiam economizar parte do dinheiro digital gerado com o aluguel de suas chaves para cobrir custos com combustível, manutenção e estacionamento, tudo de acordo com regras pré-programadas.

O que Rousseau diria? Como não poderia deixar de ser, há quem considere essas ideias excessivamente ambiciosas. A mineração do primeiro bloco do Ethereum só aconteceu em agosto. E mesmo com um pequeno ecossistema de startups operando a sua volta, Buterin admitiu recentemente que o dinheiro anda curto. Não há como saber ainda quais blockchains irão prosperar e quais naufragarão. O fato relevante, porém, é que o entusiasmo generalizado com os livros-razões distribuídos tem levado tanto startups, como gigantes que dominam seus respectivos mercados, a avaliar o potencial da tecnologia.

Livros-razões que já não precisam ser mantidos por uma empresa – ou por um governo – podem, com o tempo, impulsionar mudanças no modo como empresas e governos operam, no que se espera deles e no que pode ser feito sem o seu concurso. A percepção de que sistemas que operam sem registros centralizados têm como ser tão confiáveis quanto os que fazem uso deles pode produzir transformações radicais.

É inevitável que essas ideias despertem reações de ceticismo e descrença — as blockchains ainda são uma novidade aplicável somente em alguns nichos, e as dúvidas quanto a sua capacidade de se propagar e ganhar escala podem vir a se mostrar corretas. Também não há como evitar que as blockchains suscitem resistência. Alguns críticos do bitcoin sempre viram na moeda digital apenas mais uma tentativa dos entusiastas da tecnologia para divulgar certa “ideologia californiana”, que promete a salvação por meio de descentralizações movidas a inovações tecnológicas, ao mesmo tempo em que ignora e obscurece as realidades do poder — e concentra riquezas nas mãos de uma elite. A ideia de fazer da confiança uma questão de programação — e não de política, legitimidade e prestação de contas democrática — não é necessariamente atraente nem emancipadora.

Nem por isso os mecanismos de escrituração matematicamente imunes a manipulação deixariam de trazer benefícios. A hondurenha Izaguirre estaria em melhores condições; e o mesmo se pode dizer de muitas outras pessoas em outros contextos. Se as blockchains contêm um paradoxo fundamental, é o seguinte: ao oferecer uma maneira de gravar o passado e o presente na pedra criptográfica, elas podem fazer do futuro um lugar diferente.

© 2015 THE ECONOMIST NEWSPAPER LIMITED. DIREITOS RESERVADOS. TRADUZIDO POR ALEXANDRE HUBNER, PUBLICADO SOB LICENÇA. O TEXTO ORIGINAL EM INGLÊS ESTÁ EM WWW.ECONOMIST.COM.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.