1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Aéreas preveem corte de 7% nos voos em 2016

- Atualizado: 29 Janeiro 2016 | 05h 00

A maior redução registrada no setor desde 2003 tem o objetivo de permitir que as empresas aumentem o preço da passagem

A aviação brasileira sentirá em 2016 a maior redução de oferta desde 2003. A estimativa da Associação Brasileira de Empresas Aéreas (Abear) é de que as quatro maiores empresas cortem juntas 7% das passagens nacionais este ano, revertendo um ciclo de expansão do setor nos últimos dez anos. O movimento faz parte de um ajuste para adequar a oferta de voos a um cenário de recessão, viabilizar um aumento de preços e tentar retomar a lucratividade das empresas.

O ano de 2016 deverá ser pior para a aviação do que 2015, quando setor teve um leve avanço na oferta e demanda por voos domésticos, de cerca de 1%. Os dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) mostram uma piora de cenário no fim do ano – em dezembro, a demanda caiu 4,52% e, a oferta, 3,34%.

A partir de abril, a Azul vai reduzir de cinco para dois o número de voos diários para os Estados Unidos
A partir de abril, a Azul vai reduzir de cinco para dois o número de voos diários para os Estados Unidos
“O tráfego do passageiro corporativo caiu desde o início de 2015. As empresas aéreas fizeram promoções ao longo do ano para substituir esse cliente por aqueles que viajam a lazer. Mas, no segundo semestre, a confiança desse consumidor caiu e ele também cortou viagens”, explicou o presidente da Abear, Eduardo Sanovicz. “A manutenção da malha de voos se tornou insustentável.”

Com o brasileiro voando menos, o preço da passagem caiu em média 20% em 2015, estima a Abear. A redução ocorreu em meio à alta de custos provocada pela valorização de quase 50% do dólar. A maioria das despesas das empresas é atrelada ao dólar, como leasing de aeronaves e querosene de aviação.

O cenário de alta de custos e queda nas vendas deve levar o setor aéreo ao maior prejuízo de sua história no Brasil em 2015. Até setembro, TAM, Gol, Azul e Avianca perderam juntas R$ 3,7 bilhões. “O prejuízo vai ser maior. Não há nenhum indicador positivo no terceiro trimestre”, avaliou Sanovicz, que admite a possibilidade de demissões no setor.

Ajustes. As três maiores companhias aéreas já anunciaram planos de redução de frota. A Latam, empresa que reúne as marcas TAM e LAN, vai devolver 20 aviões neste ano. A Gol vai alugar parte da frota para empresas europeias. E a Azul vai transferir 17 aviões para a companhia portuguesa TAP, do mesmo controlador.

Tradicionalmente, uma empresa aérea reduz sua frota quando não vê possibilidade de crescimento na malha no curto prazo. A previsão da Abear é que o setor só retome o crescimento no segundo semestre de 2017. Para o sócio da consultoria Bain&Company, André Castellini, a recuperação só ocorrerá em 2018, quando o cenário político estiver mais claro e os investimentos forem retomados no País.

Até lá, as empresas terão de suportar uma operação deficitária, que leva à queima de caixa. “Há uma corrida por capital em curso. As empresas aéreas brasileiras precisam de liquidez para resistir até a economia reagir. O desafio delas é se manter vivas”, explicou o consultor.

Para Castellini, o movimento de redução da oferta é acertado, mas o corte previsto será insuficiente para viabilizar o aumento de preços necessário para recompor as perdas do setor. “O PIB deve cair 3% a 3,5% este ano. O corte de 7% na oferta é alinhado com a retração do PIB. Mas elas precisam recompor a tarifa, então, a retração de oferta deveria ser maior.”

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX