Paulo Giandalia/Estadão
Paulo Giandalia/Estadão

Afastamento de Joesley dos negócios foi decisivo para delação

O empresário viu o cerco se fechar contra suas empresas, com ao menos cinco investigações sobre seus negócios e as relações com autoridades públicas, o que também influenciou a decisão de colaborar

Fábio Fabrini, O Estado de S.Paulo

18 Maio 2017 | 09h54

BRASÍLIA - Os acionistas da J&F, grupo que controla a JBS, capitularam e resolveram fazer delação premiada depois que o Ministério Público Federal em Brasília pediu à Justiça que anulasse acordo firmado na Operação Greenfield, que garantia a presença de Joesley Batista à frente do conselho do grupo empresarial. Na ocasião, os investigadores também pediram o bloqueio de R$ 3,8 bilhões das empresas.

ACOMPANHE: Área econômica já analisa impacto de acusações e teme que retomada seja interrompida

O empresário viu o cerco se fechar contra suas empresas, com ao menos cinco investigações sobre seus negócios e as relações com autoridades públicas, o que também influenciou a decisão de colaborar.

VEJA TAMBÉM: Mercados ficam travados após abrirem no limite de oscilações permitidos

A proposta de delação foi levada inicialmente a investigadores da força-tarefa da Greenfield, na Procuradoria da República no Distrito Federal, que levaram o caso à Procuradoria-Geral da República (PGR), por envolver acusações contra políticos com foro privilegiado perante o Supremo Tribunal Federal (STF). As tratativas se deram com colaboradores próximos do procurador-geral, Rodrigo Janot, entre eles o coordenador do grupo responsável pela Lava Jato, Sérgio Bruno.

Por conta da proposta de delação, o MPF desistiu de pedir medidas judiciais contra Joesley na segunda fase da Greenfield, desencadeada em março. No início de abril, a 10ª Vara da Justiça Federal em Brasília determinou o afastamento de Joesley do conselho do grupo.

ACERVO: JBS, um açougue que alimenta Brasília desde seu nascimento

Outro motivo que influenciou a delação foi o fim do prazo, previsto no acordo, para que a JBS recomprasse ações de fundos de pensão e desfizesse negócios fraudulentos, identificados na Greenfield. O grupo estaria com dificuldades para cumprir o compromisso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.