1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Agricultores da Bahia reforçam pedido de Pepro para sustentar preço do milho

REUTERS

04 Julho 2014 | 12h 04

A associação que reúne produtores rurais da Bahia pediu ao ministério da Agricultura a realização de leilões de Prêmio de Equalização Pago ao Produtor Rural (Pepro) de milho, com o objetivo de garantir o preço mínimo do produto, reforçando um pedido já feito pelos produtores de Mato Grosso essa semana.

A Associação de Agricultores e Irrigantes (Aiba) da Bahia afirma que os preços poderão ficar abaixo dos 17 reais por sacas, abaixo do preço mínimo definido pelo governo de 21,60 reais por saca.

No início da semana, a Aprosoja MT, que reúne agricultores de Mato Grosso, já havia protocolado pedido semelhante junto ao ministério.

Segundo a associação, o milho de Mato Grosso está sendo vendido, em média, a 12 reais por saca, contra um preço mínimo oficial de 13,56 reais e um custo de produção estimado de 18 reais por saca.

O Ministério da Agricultura afirmou que recebeu o pedido da Aprosoja para a realização de leilões de Pepro, mas ainda analisa a questão.

"A gente tem por obrigação, toda vez que os valores caírem abaixo do preço mínimo, utilizar os mecanismos para a comercialização... Isso não significa dizer que a gente vai fazer, mas temos monitorado esses processos", disse o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Seneri Paludo, em recente entrevista à Reuters.

Os leilões de Pepro são um mecanismo de sustentação de preços em que o governo paga ao agricultor ou a sua cooperativa a diferença entre o preço mínimo e o obtido na hora da venda.

(Por Gustavo Bonato)