1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Agricultura avança em produtividade

O setor agropecuário vem resistindo bravamente à crise, produzido mais em condições mais econômicas para poder aumentar o volume exportado, como forma de compensação à queda dos preços das commodities, sem deixar de atender às necessidades de abastecimento do mercado interno. Segundo a última estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a safra de grãos deve chegar a 210,3 milhões de toneladas em 2015/2016, um crescimento de 1,3% em relação à safra anterior.

Apesar de um regime irregular de chuvas em Mato Grosso, que afetou o plantio precoce de soja, a oleaginosa continua a liderar a produção nacional de grãos com 100,9 milhões de toneladas. As condições climáticas, de outra parte, foram favoráveis à recuperação da produção do Nordeste e à expansão da safra na região conhecida como Matopiba (áreas adjacentes de Mato Grosso, Tocantins, Piauí e Bahia).

Chegou-se a noticiar que haveria escassez de feijão e arroz, mas a Conab descarta a possibilidade de desabastecimento desses produtos básicos. Quanto ao feijão, João Marcelo Intini, diretor da Conab, observa que o plantio ocorre em praticamente todos os Estados durante todo o ano e não haveria, portanto, necessidade de importação. A produção de arroz foi prejudicada pelas fortes chuvas no Rio Grande do Sul. Está havendo, agora, plantio tardio, mas é provável que seja preciso importar 1 milhão de toneladas.

Chama a atenção o avanço do milho, cuja colheita é estimada em 88,5 milhões de toneladas, 3,5% mais que na safra anterior. Vale notar que o milho se vem tornando um dos principais produtos agrícolas de exportação do Brasil. As vendas externas do produto em grãos carrearam para o País US$ 4,937 bilhões no ano passado, um aumento de 27,39% em relação a 2014 (US$ 3,875 bilhões). As expectativas para a safrinha (segunda safra) tanto de milho como de feijão são muito boas, na avaliação da Conab.

É claro que a desvalorização do real tem ajudado muito a agricultura, evitando a descapitalização do setor. Este, porém, é apenas um fator. As chuvas têm sido regulares e bem distribuídas e os empréstimos para custeio e comercialização têm sido razoáveis, embora tenha havido queda no crédito para investimentos.

Mesmo assim, a produtividade cresce com maior mecanização da lavoura e uso de sementes de ciclo mais curto e de variedades mais resistentes.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX