1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Alavancagem da Petrobrás cai para 60% em 2015

- Atualizado: 21 Março 2016 | 19h 33

Relação entre endividamento e patrimônio teve leve queda, mas permanece acima das metas estabelecidas pela estatal

A alavancagem líquida da Petrobrás, medida pela relação entre endividamento líquido e patrimônio líquido, fechou o quarto trimestre em 60%, levemente abaixo da marca de 65% registrada no final de setembro de 2015. Já a relação entre dívida líquida e Ebitda, que estava em 5,24 vezes no término do terceiro trimestre do ano passado, fechou o ano em 5,31 vezes. Ambos os números permanecem significativamente acima das metas estabelecidas pela Petrobrás, de até 35% e 2,5 vezes, respectivamente.

A gradual elevação do endividamento da Petrobrás no decorrer de 2015, tendência parcialmente revertida nos três últimos meses do ano, acompanhou a trajetória de valorização do real em relação ao dólar. Como mais de 80% da dívida da estatal foi contraída em moeda estrangeira, o enfraquecimento do real implica em elevação do endividamento, quando convertido para a moeda brasileira. O efeito seria ainda mais adverso à Petrobrás não fosse a adoção da contabilidade de hedge, uma prática contábil que ameniza o impacto cambial, e consequentemente financeiro, sobre as demonstrações de resultado da empresa.

A variação cambial contribuiu para que o endividamento da estatal atingisse recordes em 2015, superando inclusive a barreira de R$ 500 bilhões. No dia 31 de dezembro, contudo, as dívidas da Petrobrás somavam R$ 492,849 bilhões, valor abaixo do patamar apurado em setembro passado.

Como a estatal terminou o ano com R$ 100,887 bilhões de recursos em caixa, incluindo títulos, o endividamento líquido ao final do ano estava em R$ 391,962 bilhões. O valor é 2,6% inferior à dívida líquida de R$ 402,348 bilhões apurada no final de setembro passado.

As dívidas a vencer da Petrobrás em 2016 somam R$ 57,334 bilhões, ou 11,6% do endividamento total da companhia. Em um período de um a dois anos vencem mais R$ 44,505 bilhões. Ou seja, o montante a vencer entre 2016 e 2017, no total de R$ 101,839 bilhões, é equivalente ao total de recursos em caixa por parte da companhia.

Alavancagem. O nível de endividamento da Petrobrás ganhou importância em 2010, ano em que a estatal realizou sua megacapitalização de mais R$ 120 bilhões. Na oportunidade, uma das razões para que a Petrobras anunciasse a operação foi justamente a preocupação de que a alavancagem líquida superasse 35% e colocasse em risco a condição de grau de investimento concedido pelas agências de classificação de risco.

Concluída a operação, a alavancagem da estatal caiu de 34% no segundo trimestre para 16% no terceiro trimestre de 2010. Desde então, porém, o indicador manteve trajetória ascendente, influenciado principalmente pela tendência de valorização do dólar ante o real. A mesma trajetória foi identificada na relação entre dívida líquida e Ebitda. Como resultado, a estatal perdeu o grau de investimento concedido pelas três principais agências de classificação de risco do mundo (Moody's, Standard & Poor's e Fitch).

O indicador superou os limites desejados pela estatal e só deve retornar a patamares considerados aceitáveis, abaixo de 2,5 vezes, no final da década. Esta é a previsão revelada pela própria Petrobras, no Plano de Negócios e Gestão 2015-2019 - a estatal ainda não divulgou o plano 2016-2019.

O planejamento da estatal projeta que a relação entre dívida líquida e Ebitda deve ser inferior a 3 vezes até 2018 e abaixo de 2,5 vezes até 2020. A estatal também prevê que a alavancagem líquida poderá cair abaixo de 40% até o final de 2018. O desejado patamar de menos de 35% deve ser alcançado até 2020.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX