Alemanha em debandada

Só nos faltava essa!

Gilles Lapouge, O Estado de S.Paulo

14 Outubro 2014 | 02h04

A Alemanha, a maravilha da Europa, a laboriosa, virtuosa e eficiente Alemanha, que empurra com bravura a Europa que segue atrás dela, além de repreender Grécia, Itália e França, eis que ela também tem uma "queda em parafuso".

No segundo trimestre do ano, a Alemanha viu seu Produto Interno Bruto (PIB) recuar 0,2%. O terceiro trimestre não foi melhor. Nesse caso, o país entraria em recessão, como Grécia ou esses países vulgares do "Club Med", que Berlim alfineta há cinco anos.

Na França, muita gente se regozija com o desfalecimento da economia alemã. Nas escolas, os piores da classe sempre dão uma sonora gargalhada quando o primeiro obtém uma nota ruim.

Que estupidez!

A ducha fria da Alemanha sobre uma União Europeia perpetuamente letárgica é uma péssima notícia. Claro que a Alemanha vende para a China, para os países emergentes, para Rússia, Estados Unidos, mas seu grande mercado é a zona do euro, que absorve 40% das suas exportações.

A surpresa que tomou conta dos europeus ao saberem que a locomotiva da Europa está avariada, à margem da estrada, é bizarra. Há anos chegam sinais negativos de Berlim e ninguém viu. Um dos maiores economistas alemães, Marcel Fratzscher, que integrou no passado o Banco Central Europeu (BCE) e hoje é conselheiro do governo de Berlim, já previa isso e repete sua teoria num livro que será lançado em alguns dias intitulado Die Deutschland Illusion (A Ilusão Alemã).

Em suas conferências, ele faz uma pergunta para a plateia: "Existe um país que desde 2000 registrou um crescimento mais fraco do que a média da zona do euro, cuja produtividade pouco aumentou e onde dois a cada três assalariados viram sua renda cair? Qual é esse país? A Alemanha."

Fratzscher enumera no seu livro os males da Alemanha. São inúmeros, mas o mais grave é a fragilidade dos investimentos. A Alemanha é um país que se tornou avarento. Há dez anos evita gastos. Nos anos 90, o Estado e as empresas investiam 25% do PIB em infraestrutura, taxa que caiu para 19,7% em 2013.

É sobretudo no caso das vias de comunicação que a mesquinhez alemã foi mais prejudicial: rodovias, estradas nacionais, pontes, eclusas, estradas de ferro, vias de navegação estão deterioradas. A Alemanha parece um corpo humano em que a circulação do sangue diminuiu. Uma ponte rodoviária com uma enorme necessidade de reforma. O que não ocorre.

É o caso também das escolas, incluindo os jardins de infância, que não têm mais nível internacional. Berlim e Estados não querem abrir seus cofres. São os pais que devem financiar. Se recusarem, as mulheres devem retirar seus filhos das creches e se ocupar deles. Portanto, perda de mão de obra e freio na produção.

E sabemos que os bilhões que deveriam ser investidos nos jardins de infância seriam rapidamente rentabilizados.

Para conter o declínio das redes ferroviárias e rodoviárias, serão necessários 10 bilhões por ano. Ora, isso está fora de questão. O governo federal, obcecado por seus equilíbrios orçamentários, prevê um gasto de apenas 1,25 bilhão por ano até 2017.

Um outro dado oferecido por Marcel Fratzscher: para manter os investimentos num nível decente seria necessário que o Estado e as empresas gastassem anualmente 103 bilhões mais do que estão despendendo hoje.

Para o economista, o que observamos é o "inverso do milagre alemão" que explica a pane que a Alemanha sofre há seis meses, uma pane estranha e que esperamos seja a mais rápida possível. Pois, caso contrário, a Europa inteira é que perderá o fôlego. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Mais conteúdo sobre:
Gilles Lapouge Alemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.