AFPPHOTO / EVARISTO SA
AFPPHOTO / EVARISTO SA

Alguns Estados estão em dificuldade por conta do déficit previdenciário, diz Temer

Em evento, presidente exaltou a queda da taxa de juros, disse que a reforma da Previdência será retomada e que está trabalhando também na tributária e política

Carla Araújo, André Borges e Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

27 Julho 2017 | 17h36

BRASÍLIA - O presidente Michel Temer disse, em discurso durante cerimônia de Anúncio da Implementação do Programa de Concessão de Aeroportos, que trabalhará para concluir novas reformas até o fim do seu mandato. Ele exaltou a aprovação da reforma trabalhista, disse que a reforma da Previdência será retomada e que está trabalhando na reforma tributária e política. "Se conseguirmos realizar essas três novas reformas ninguém poderá dizer que passamos em branco", afirmou.

O presidente disse ainda que coragem e ousadia não faltam nem a ele e nem a equipe que ele conduz e que seu objetivo é praticar "os mais variados atos em benefícios do País". "É interessante como nesses 60 dias o Brasil cresceu", disse. "Aprovamos a modernização da legislação trabalhista neste período com uma votação expressiva. Confesso que não imaginava que teria uma repercussão tão grande", afirmou, destacando que "de fato temos outras tantas tarefas pela frente".

"Temos pela frente, temos coragem de dizer, a reforma da Previdência", afirmou. O presidente destacou que alguns Estados estão em grande dificuldade exata e precisamente por conta do déficit previdenciário. "Temos que enfrentar essa matéria, assim como temos que enfrentar uma simplificação tributária", disse.

O presidente afirmou ainda que está já em conversas pela reforma política. "Naturalmente tenho conversando muito com o Congresso Nacional com vistas a reformulação política no nosso país".

Segundo ele, seu governo continuará "a agir com determinação para crescimento e geração de empregos". "Vamos continuar trabalhar nessa direção."

Juros. O presidente ainda fez menção à queda da taxa Selic para 9,25% ao ano e disse que "não é por acaso que Brasil está virando a página da crise" e afirmou que os juros tendem a cair ainda mais. "Estamos fazendo um dever de casa, convenhamos atrasado, mas os resultados estão aparecendo", disse. "Vou ser repetitivo: a inflação é a mais baixa dos últimos tempos. Os juros ainda ontem caíram para um dígito, coisa que há quatro, cinco anos não acontecia, e a tendência, evidentemente, é cair muito mais", completou.

Ao destacar a importância das concessões, Temer disse que a cerimônia de hoje era reveladora "para o esforço de modernização do nosso governo para colocar o Brasil no século XXI". Segundo ele, o modelo das concessões criado pelo seu governo é mais "racional, previsível e seguro". "Nada disso é mágica. O Brasil é um país onde todos querem investir. O que fizemos foi reintroduzir a responsabilidade na gestão pública e restaurar a confiança do investidor", disse.

O presidente afirmou ainda que a participação do setor privado aprimorará a qualidade do serviço aéreo e que o número de pessoas viajando de avião voltou a aumentar, depois de uma baixa por causa da crise. "Nosso governo está trabalhando para oferecer uma infraestrutura compatível com o crescimento que buscamos", destacou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.