Werther Santana|Estadão
Werther Santana|Estadão

Aluguel de imóveis residenciais recua 0,29% em setembro ante agosto

Em setembro, os locais com maior aumento de preço ante agosto foram Recife, Curitiba e São Bernardo do Campo, segundo o FipeZap

Luiz Fernando Teixeira, especial para o Broadcast

17 Outubro 2017 | 11h02

O preço médio de locação dos imóveis no Brasil teve uma queda de 0,29% em setembro, na comparação com agosto, em termos nominais. Nos últimos 12 meses, houve um recuo de 0,66%. Além disso, foi registrada uma diminuição de 0,29% nos valores entre agosto e setembro de 2017. Já o valor médio do aluguel de imóveis foi de R$ 28,36 por metro quadrado no País.

As informações são de pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) com base nos anúncios do site Zap Imóveis, o Índice FipeZap. Os dados são de 15 cidades e os cálculos são feitos com base em novos contratos, sem considerar a correção dos aluguéis nos contratos vigentes.

Em setembro, os locais com maior aumento de preço ante agosto foram Recife (+0,97%), Curitiba (+0,91%) e São Bernardo do Campo (+0,41%), em contrapartida à média nacional. Rio de Janeiro (-1,31%), Florianópolis (-1,23%) e Niterói (-1,10%) registraram a maior variação no índice, que teve queda real de 2,11% no ano, frente à inflação de 1,78% no período.

+ ESPECIAL: Como comprar um imóvel

Considerando os últimos 12 meses, as cidades que apresentaram maior queda foram  Rio de Janeiro (-7,74%), Campinas (-4,55%) e Porto Alegre (-1,43%). Em compensação, Distrito Federal (+3,47%), Recife (+3,23%) e São Bernardo do Campo (+3,07%) tiveram as maiores altas. Levando em conta a inflação de 2,54% registrada no período, a queda real nos preços foi de 3,12% no Brasil.

Por fim, São Paulo é a cidade com o maior valor médio por metro quadrado do País,  com R$ 35,68, seguida por Rio de Janeiro (R$ 32,49) e Distrito Federal (R$ 29,80). Já entre as cidades com o valor mais barato estão Goiânia (R$ 14,85), Fortaleza (R$ 16,24) e Curitiba (R$ 16,64).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.