1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

América Latina mostra que tenta superar populismo

- Atualizado: 23 Janeiro 2016 | 19h 02

Autoridades de países como Argentina, México, e Brasil se distanciaram de preocupações com instabilidade na região

Embora não estivesse explicitamente em nenhuma parte do imenso programa de painéis e debates do Fórum Econômico Mundial, o populismo latino-americano foi um tema marcante este ano em Davos. Diversas autoridades de países da região deram diferentes perspectivas sobre o fenômeno, mas todas elas tiveram um ponto em comum: tentar mostrar que seus respectivos países já não sofrem da crônica instabilidade político-econômica característica da história da América Latina.

No contexto dessa narrativa, a Argentina assumiu papel de protagonista. O novo presidente Mauricio Macri e seus principais auxiliares econômicos desfilaram por Davos em uma programação intensa, cujo objetivo principal era o de anunciar e celebrar o fim do ciclo populista no país. 

Segundo Federico Sturzenegger, novo presidente do Banco Central da Argentina, o kirchnerismo representou “um gênero muito especial de populismo”. O economista notou que, no típico ciclo populista, o governo se endivida ao máximo, gasta tudo o que puder e deixa a conta dos problemas posteriores para os sucessores. 

Macri teve programação intensa em Davos

Macri teve programação intensa em Davos

Na Argentina dos Kirchner, no entanto – na visão de Sturzenegger – o “ódio ao mundo” era tão forte que o país optou por cortar definitivamente todos os laços com o mercado internacional de capitais. O custo desta alternativa, para o presidente do BC argentino, foi o de parar de crescer nos últimos anos, quando se esgotou o ciclo de commodities, e também o de recorrer ao financiamento interno, com aumento de tarifas e impostos (incluindo a taxação da exportação de commodities agrícolas, que Macri já começou a reverter). 

O ministro da Fazenda de Macri, Alfonso Prat-Gay, considera que a Argentina se saiu razoavelmente bem na tarefa inicial de desvalorizar o peso, liberar as extremas amarras cambiais do regime anterior e reintroduzir uma política mais normal de juros reais para dar partida ao combate à altíssima inflação. Num passo posterior, cogita-se implantar um regime de metas de inflação. 

As negociações com os “hold-outs” (credores da dívida externa da Argentina que não aceitaram os termos da reestruturação) estão avançando e Prat-Gay vê a derrubada da inflação e a rearrumação fiscal como os próximos grandes desafios. Tanto ele quanto Sturzenegger apostam que o baixo nível de endividamento argentino permitirá uma retomada rápida do crescimento.

Uma mensagem diferente, que corresponde a uma etapa mais avançada do pós-populismo, foi dada em Davos por autoridades dos países latino-americanos que adotam o chamado “modelo do Pacífico” de economias em busca de maior abertura e liberalismo, como Chile, Peru, Colômbia e México.

A ideia vendida é de que eles são países que superaram a gangorra de booms e crises característica da região, por meio de regimes monetários e instituições fiscais que permitem navegar em momentos turbulentos da economia mundial. 

Nesse sentido, o fim do ciclo de alta das commodities e a aguda queda das matérias-primas nos últimos meses fornecem o “teste” ideal para a tese defendida pelos países do modelo do Pacífico. Em Davos, os ministros das Finanças do Chile, do Peru e da Colômbia procuraram mostrar como a queda das commodities afetou as suas economias, com desaceleração e pressões inflacionárias, mas nem de longe as tirou do trilho. Nos três casos, o PIB continua e território positivo. 

O Peru, inclusive, já voltou a acelerar, como apontou o ministro peruano, Alonso Segura Vasi. Em um dos debates, ele afirmou que os últimos presidentes peruanos – inclusive o atual, Ollanta Humala – sofrem com a falta de popularidade, mas há um consenso entre sucessivas equipes econômicas que mantêm o país numa trilha de políticas ortodoxas e liberais.

Já o presidente do México, Enrique Peña Nieto, garantiu em Davos que “somos hoje uma economia que praticamente de ‘despetrolizou’”. Ele insistiu na tecla de que o México atual é um país de manufaturas diversificadas, com muitos segmentos de alto valor agregado, e que promoveu uma drástica redução do petróleo na pauta de exportações e na arrecadação tributária. Da mesma forma que Peru, Chile e Colômbia, a mensagem foi de superação da fase de booms e crises.

Coube a Nelson Barbosa, ministro da Fazenda do Brasil, a tarefa difícil de mostrar um país que, sem troca de governo, manteve os compromissos de inclusão social da era do boom de commodities, mas adaptando-os às vacas magras da etapa atual. Barbosa rechaçou o rótulo de populismo para fase de ouro do governo Lula, afirmando que o Brasil aproveitou a alta das matérias-primas para reduzir a pobreza e a desigualdade e agora, sem descartar programas sociais, está redimensionando-os para uma etapa de orçamentos mais restritos.

O pano de fundo negativo para a discussão do populismo, finalmente, foi a Venezuela. O economista Ricardo Hausmann, de Harvard, disse que a Venezuela (seu país de origem) viverá em 2016 um colapso econômico de enormes proporções, que vai causar uma “crise humanitária”.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX