1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Amorim: 700 militares atuarão durante o leilão de Libra

ANTONIO PITA - Agencia Estado

18 Outubro 2013 | 13h 08

O Ministro da Defesa, Celso Amorim, afirmou nesta sexta-feira, 18, que cerca de 700 militares atuarão no reforço da segurança do leilão da área de Libra, na camada do pré-sal, na segunda-feira, 21, no Rio. Segundo Amorim, entre os militares estarão oficiais do Exército e da Força Nacional e policiais militares. Sobre a avaliação de risco à realização do leilão e de violência em protestos programados por movimentos sociais contrários à licitação, o ministro afirmou que "se não houvesse risco, não teriam nos chamado."

"O que ocorreu foi que o governador (Sérgio Cabral) pediu o apoio das Forças Armadas porque considerou que as forças do Estado não eram suficientes e isso é o que prevê a Constituição; estaremos lá com esse objetivo, é uma situação excepcional que eu espero que seja resolvida da melhor forma possível", pontuou Amorim, após ministrar uma palestra na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). O ministro afirmou ainda que o número total de oficiais que vão participar da operação de segurança pode aumentar. "Mas acredito que tudo ocorrerá na maior tranquilidade", ressaltou Amorim.

A palestra do ministro foi interrompida em diversos momentos por estudantes que, com gritos de guerra, vaias e cartazes, questionavam a presença dos militares durante o leilão. Perguntado por um aluno se a participação de empresas estrangeiras no leilão de Libra representaria um risco à soberania nacional, o ministro se limitou a afirmar que "o leilão é realizado de acordo com a legislação existente, definida pelo Congresso, que é uma instituição democrática". Os estudantes também protestaram contra a atuação da Polícia Militar do Rio durante as manifestações populares, ao que Amorim respondeu que "algum tipo de polícia deve existir."