1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Analistas do mercado preveem três altas consecutivas da Selic

- Atualizado: 11 Janeiro 2016 | 09h 38

Segundo o Boletim Focus, taxa básica de juros deve chegar a 15,50% em abril e continuar nesse nível até outubro

Atualmente, a taxa de referência está em 14,25% ao ano

Atualmente, a taxa de referência está em 14,25% ao ano

BRASÍLIA - A taxa básica de juros Selic sofrerá três altas consecutivas na avaliação do mercado financeiro, segundo o Relatório de Mercado Focus divulgado nesta segunda-feira, 11, pelo Banco Central. Atualmente, a taxa de referência está em 14,25% ao ano e a perspectiva para a reunião da semana que vem é de elevação desse patamar para 14,75% ao ano. 

Na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) de março, o colegiado deverá aumentá-la para 15,25% ao ano pelo mesmo levantamento e diminuir um pouco a dose de alta no encontro de abril, levando a Selic para 15,50% ao ano.

Os juros básicos devem continuar nesse nível até outubro, conforme os especialistas, mas ainda encontrará fôlego para recuar este ano. A perspectiva é a de que, na última reunião do Copom de 2016, os diretores reduzam esse porcentual para 15,25% ao ano.

Assim, a tendência é de continuidade de baixa da Selic nos primeiros meses de 2017. No ano que vem, conforme o Focus, a taxa básica estará em 15,00% em janeiro e cairá para 14,75% ao ano em fevereiro. Em março, segundo esse prognóstico, ainda encontrará espaço para recuar e voltará, então, para o nível visto atualmente, de 14,25% ao ano.

Em abril, o juro de referência para os negócios cederá para 14% ao ano e, em maio, para 13,75% ao ano, taxa que deverá ser mantida em junho de 2017. Não há abertura das previsões mensais do mercado para os meses seguintes. 

Longo prazo. A taxa básica de juros encerrará 2018 abaixo do nível atual de 14,25% ao ano. De acordo com o documento, baseado nas projeções de analistas de aproximadamente 120 instituições financeiras, a Selic terminará aquele ano em 11,00%. Este também é o mesmo nível esperado pelos especialistas um ano depois. Para 2020, a expectativa é de que a taxa básica termine o ano em 10,50% ao ano.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX