1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Analistas que mais acertam projeções veem inflação acima do teto da meta em 2016 e 2017

- Atualizado: 25 Janeiro 2016 | 11h 03

Após BC manter o juro, economistas do chamado Top 5 passam a prever uma alta de preços superior a 7% nesse e no próximo ano

BRASÍLIA - Depois de uma semana intensa para a política monetária, o Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta segunda-feira pelo Banco Central (BC), revelou que o grupo dos analistas que mais acertam as projeções para a inflação (o chamado Top 5) elevou a mediana para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 2017 de 5,50% para 7,19%. 

O novo patamar está muito acima do teto da meta para o ano que vem, de 6%. A promessa do BC de levar a inflação para o centro da meta (4,5%) nesta data parece, portanto, cada vez mais distante.

Essa elite prevê também que o IPCA de 2016 ficará em 7,92%, ante taxa prevista anteriormente de 7,54% e de 7,39% verificada quatro semanas atrás. Todos os números já estão acima do teto da meta para o período, de 6,50%. 

O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini

O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini

Já a mediana das projeções dos analistas prevê inflação de 7,23% em 2016, ante 7% uma semana antes, e de 5,65%, ante 5,40% anteriormente, em 2017 

Dois motivos levaram a essas drásticas alterações das previsões por parte dos analistas. O primeiro foi o comentário surpresa do presidente do BC, Alexandre Tombini, sobre as novas estimativas do Fundo Monetário Internacional (FMI) para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deste e do próximo ano. 

Na sequência, o Comitê de Política Monetária (Copom) do  BC manteve os juros básicos da economia em 14,25% ao ano. Até o comentário de Tombini, a expectativa majoritária do mercado financeiro era de alta de 0,50 ponto porcentual da Selic.

Essa reviravolta da semana passada também fez os analistas mudarem completamente os cenários para o rumo dos juros. A mediana das previsões para a Selic no fim de 2016 caiu de 15,25% ao ano - previsão que já constava também há um mês - para 14,64%.

Esse patamar revela que há no mercado quem acredite numa taxa ainda mais baixa, já que se trata de uma divisão das estimativas de 14,50% e de 14,75%. Já no caso de 2017, a mediana das previsões caiu de 12,88% ao ano para 12,75%.

PIB e dólar. As projeções para o PIB deste ano, por sua vez, seguem no terreno negativo, enquanto as para 2017 mostram uma expectativa de recuperação cada vez menor. A mediana das estimativas foi ajustada de -2,99% para -3,00% para 2016 - há quatro semanas, a aposta era de uma queda menor, de 2,81%. Pouco mais de um ano atrás, na primeira Focus de 2015, os especialistas consultados pelo BC acreditavam que haveria crescimento este ano, de 1,80%.

Já para 2017, a expectativa é mais otimista, de expansão de 0,80%. Vale lembrar, no entanto, que uma semana antes, a mediana estava em alta de 1,00%, o mesmo patamar visto um mês atrás. 

Para o câmbio, após aumentar quase 50% no ano passado e encerrar levemente abaixo de R$ 4,00, a perspectiva do mercado financeiro este ano avançou de R$ 4,25 no boletim Focus de uma semana para R$ 4,30 agora. Quatro edições atrás do documento, a mediana das previsões apontava para cotação de R$ 4,20.

Para o ano que vem, a mediana das estimativas aponta para uma cotação de R$ 4,40, maior do que a de R$ 4,30, vista na semana passada - um mês antes, estava em R$ 4,20.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX