Analistas "vão quebrar a cara", diz Mantega

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse hoje que os analistas que dizem que o governo não vai cumprir a meta de superávit primário - arrecadação menos as despesas, exceto o pagamento de juros - de 4,25% do PIB neste ano "vão quebrar a cara". Enfatizando o compromisso do governo de alcançar seu objetivo, o ministro, em tom provocador, recomendou aos clientes desses analistas que "peçam seu dinheiro de volta" quando for constatado que o governo cumpriu o objetivo e que eles erraram a previsão. Durante a entrevista dada juntamente com o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo sobre o texto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2007 encaminhada pelo governo ao Congresso, Mantega afirmou que o objetivo do governo, com a LDO, é indicar um orçamento que promova crescimento sustentável cada vez maior, com responsabilidade fiscal e controle de gastos do governo, além do aumento nos investimentos. Segundo Mantega, o trabalho do governo visa, por meio do controle fiscal, reduzir a relação dívida/PIB, o que permite, por sua vez, a expansão da taxa de investimento, fato que, segundo ele, já está ocorrendo. O ministro afirmou, ainda, que o governo tem trabalhado, também, pela redução da carga tributária por meio de medidas de desoneração de impostos. Informou que, este ano, as medidas já adotadas estão reduzindo a carga de impostos em R$ 6 bilhões. Mas ele explicou que, paralelamente ao trabalho do governo para reduzir as alíquotas de impostos, a Receita Federal tem melhorado sua capacidade de arrecadação o que, juntamente com o crescimento econômico, tem permitido aumento das receitas.

Agencia Estado,

18 Abril 2006 | 13h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.