Marcos Santos/USP Imagens
Marcos Santos/USP Imagens

Aneel confirma bandeira amarela para a conta de luz em setembro

Tarifa passará a ter acréscimo de R$ 2 a cada 100 kWh consumidos, em vez dos atuais R$ 3

André Borges, O Estado de S.Paulo

25 Agosto 2017 | 11h17
Atualizado 25 Agosto 2017 | 13h22

BRASÍLIA - Conforme adiantado pelo Estadão/Broadcast, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) confirmou no início da tarde desta sexta-feira, 25, que a tarifa de energia elétrica vai ficar um pouco mais barata em setembro. As contas de luz terão bandeira tarifária amarela no próximo mês. Em agosto, o consumidor pagou pela bandeira vermelha. 

+ Privatização da Eletrobrás pode aumentar conta de luz em mais de 10%

Com a mudança de patamar, a tarifa de energia terá a cobrança adicional reduzida de R$ 3,00 para R$ 2,00 no próximo mês, para cada 100 kilowatt-hora (kWh) consumidos.

"O fator que determinou a bandeira amarela foi a melhora das condições hidrológicas nas regiões Sul e Sudeste. Segundo o relatório do Programa Mensal de Operação (PMO) do Operador Nacional do Sistema (ONS), o valor da usina térmica mais cara em operação é de R$ 411,92/MWh, o que determinou a redução da bandeira vermelha para a amarela", justificou a Aneel em sua decisão.

Todo mês, o sistema de bandeiras é atualizado pela agência. Para tomar a decisão, são avaliados o preço da energia, o volume de chuvas e a situação dos principais reservatórios das hidrelétricas em todo o País.

A avaliação dos técnicos é de que a situação ficou menos crítica no mês de agosto, em razão das chuvas registradas em algumas regiões. Em alguns dos principais reservatórios, porém, como Sobradinho, na Bahia, e Serra da Mesa, em Goiás, a situação permanece crítica.

Com a decisão da Aneel, a conta de luz retoma a bandeira amarela que vigorou no mês de julho. Em junho, a bandeira acionada era a de cor verde, que não traz custo adicional ao consumidor. Nos meses maio e abril, vigorou a bandeira vermelha em seu primeiro patamar. Em março, foi acionada a bandeira amarela. Em janeiro e fevereiro deste ano, vigorou a bandeira verde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.