Apesar de alta do Ibovespa, fazer apostas é missão difícil

Alguns eventos políticos foram comemorados por analistas nesta semana, o que ficou evidenciado pelo avanço de cerca de 5% do Índice Bovespa

Karin Sato, Broadcast

15 Julho 2017 | 05h00

Alguns eventos políticos foram comemorados por analistas nesta semana, o que ficou evidenciado pelo avanço de cerca de 5% do Índice Bovespa. Porém, profissionais do mercado lembram que ainda restam muitas dúvidas, de forma que seguem cautelosos em suas indicações de investimentos, dando preferência a ações baratas ou de empresas que devem passar por um bom momento operacional.

A Coinvalores, por exemplo, optou por incluir Vale na carteira. A mineradora vai divulgar dados operacionais na próxima semana e a expectativa é de que mantenha a trajetória crescente na produção de minério de ferro e carvão. “Além disso, embora inferior à cotação média do primeiro trimestre, o preço do minério de ferro continuou em patamar favorável no segundo trimestre, o que deve levar a mais uma divulgação de sólidos resultados”, disse o analista Felipe Silveira.

Já a XP Investimentos trocou Embraer por Lojas Americanas. “O início do recesso do Congresso deve aliviar o noticiário político por um espaço curto de tempo, o que pode reduzir também a volatilidade do mercado. Acreditamos que seja um momento propício para incluir Lojas Americanas, mesmo após a valorização forte nos últimos dias”, afirmou a equipe de análise, acrescentando que o preço do papel está em conta, tendo em vista o potencial de valorização.

O time da gestora Quantitas trocou Itaú Unibanco por Banco do Brasil. O analista Wagner Salaverry explica que o banco estatal está mais barato. “A ação do BB recuou bastante desde a delação dos executivos da JBS.”

A Magliano, por sua vez, optou por incluir Ambev, que se mantém apresentando resultados robustos e crescentes, e Copel, que está sendo negociada a 50% de seu valor patrimonial. “A Copel deve se beneficiar com o cenário macroeconômico que está se desenhando no Brasil, de forma a conseguir no médio e no longo prazos substancial retomada em seus múltiplos. Isso conferiria à empresa potencial de valorização, visto que está sendo negociada bem abaixo de seu valor patrimonial”, justificou o time de análise da corretora.

A Terra Investimentos substituiu Gerdau e Lojas Americanas por Pão de Açúcar, que tende a ser beneficiada pela recuperação da atividade econômica, e Telefônica Vivo. A operadora deve se favorecer da melhora na sinergia de integração com a GVT e da expansão do tráfego de dados móveis.

A semana foi agitada em Brasília e os analistas fizeram um balanço dos últimos acontecimentos e do impacto para a Bolsa. Para os profissionais da Coinvalores, a principal questão é o andamento no Congresso da denúncia contra o presidente Michel Temer, que tem elevado os riscos na tramitação da reforma da Previdência, tema importante para o ajuste fiscal. “Vemos a resolução da questão ainda muito incerta”, disse Felipe Silveira.

Mais uma notícia importante foi a condenação de Luiz Inácio Lula da Silva em primeira instância, que, para a Coinvalores, enfraquece sua eventual candidatura em 2018. Salaverry, da Quantitas, opinou que o mercado comemorou a condenação porque a política econômica que marcou os últimos anos da gestão Lula e teve continuidade no governo de Dilma Rousseff, foi uma das causas da crise fiscal, com graves consequências para a economia. “Qualquer situação que favoreça o não retorno desta política tende a ser bem vista pelos agentes do mercado”, afirmou.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.