1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Apesar de crise econômica, Heineken avança no País

- Atualizado: 11 Fevereiro 2016 | 08h 54

Vendas da cervejaria aumentaram no Brasil, a despeito da base de comparação elevada, em função da Copa em 2014

Lucro operacional nas Américas cresceu 15%
Lucro operacional nas Américas cresceu 15%

LONDRES - A cervejaria holandesa Heineken destacou positivamente o desempenho das vendas no Brasil na divulgação do balanço financeiro de 2015. Dona das marcas Heineken, Kaiser e Amstel, a empresa informou ontem aos acionistas que, no ano passado, o volume total de vendas no País cresceu “com um dígito alto, a despeito da desaceleração econômica e da base de comparação elevada devido à Copa do Mundo no ano anterior”.

O balanço diz que a principal marca da empresa, a Heineken, registrou “crescimento do volume de dois dígitos no Brasil”. “Também houve forte desempenho do restante do portfólio ‘premium’, incluindo as marcas Desperados e Sol Premium, o que colaborou para o resultado positivo”, informa a empresa, que destaca o processo de aumento da importância das marcas de maior preço.

A cervejaria não detalha o resultado financeiro por país, mas o balanço informa que o lucro operacional nas Américas cresceu 15%, “com o México e o Brasil sendo os principais líderes”. Na região, o lucro operacional somou ¤ 904 milhões, sendo que as receitas somaram ¤ 5,159 bilhões.

Em todo o mundo, a cervejaria holandesa anunciou um lucro líquido de ¤ 1,9 bilhão (US$ 2,1 bilhões) em 2015, maior que o ganho de ¤ 1,5 bilhão registrado no ano anterior. A receita avançou para ¤ 20,5 bilhões no ano passado, ante ¤ 19,3 bilhões em 2014. A Heineken prevê que lucro e receita continuarão crescendo em 2016, apesar da volatilidade vista nos mercados emergentes e pressões deflacionárias. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX