ALEX SILVA / ESTADÃO
ALEX SILVA / ESTADÃO

Apesar de positivo, cenário global comporta riscos potenciais, diz Ilan

Presidente do BC citou a possibilidade de uma parada repentina da China, além de ameças nos âmbitos geopolítico e cibernético

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

14 Outubro 2017 | 18h29

BRASÍLIA – O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou neste sábado, 14, durante evento em Washington, nos Estados Unidos, que o cenário global, apesar de positivo, comporta riscos potenciais. Entre os riscos, ele citou a possibilidade de uma parada repentina da China. "A melhor perspectiva para a economia chinesa tem sido crucial para sustentar o comércio global, os preços das commodities e o apetite por risco nos trimestres anteriores", afirmou. No entanto, de acordo com Ilan, o crescimento das dívidas do governo e das corporações na China representa um risco crescente. 

++Maia afirma que governo não quis votar a MP da leniência do Banco Central

++Reformas são essenciais para manter crescimento e inflação baixa, diz Ilan

Outro risco abordado é o geopolítico e o cibernético. "A escalada do protecionismo desapareceu um pouco, mas permanece no radar", disse Ilan. "Riscos geopolíticos e cibernéticos são muito difíceis de antecipar e são de natureza dinâmica, mas estamos conscientes de que eles aumentam."

Conforme Ilan, os ataques cibernéticos continuam a ser uma fonte de instabilidade sem uma melhor política de resposta por parte dos bancos centrais. Ele citou ainda como risco potencial a possibilidade de aperto das condições monetárias globais, com normalização mais rápida que o esperado da política monetária em economias avançadas. Para Ilan, isso é particularmente preocupante.

Mais conteúdo sobre:
Ilan Goldfajn Banco Central do Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.