1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Após mudança no pré-sal, Congresso quer votar agenda econômica própria

- Atualizado: 01 Março 2016 | 07h 34

Os presidentes do Senado e da Câmara querem colocar em votação neste semestre projetos para a economia que vão contra as prioridades do governo, como independência do BC e teto para a dívida da União

Para Renan Calheiros, independência do BC é prioridade

Para Renan Calheiros, independência do BC é prioridade

BRASÍLIA - À revelia do Palácio do Planalto, o Senado e a Câmara querem assumir papel de protagonistas e vão propor uma agenda econômica independente para ser apreciada pelos parlamentares no primeiro semestre. Essa pauta deverá conter propostas que contrariam as prioridades do governo ou do PT, como a concessão de independência ao Banco Central, a proibição de mudanças em contratos de concessão, a fixação de teto para o endividamento da União e as reformas tributária e previdenciária.

Animado com a aprovação do projeto que muda as regras de participação da Petrobrás na área do pré-sal, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), quer fechar esta semana a pauta “expressa” que será votada até julho. Ele se reúne hoje com a bancada do PT, uma das mais críticas à sua agenda. Mas, em conversa com aliados, Renan já adiantou que quer priorizar a independência do BC e uma proposta impedindo que o governo mude as regras das concessões públicas depois de realizada a licitação, a chamada PEC dos Contratos.

O avanço dessas propostas pode atrapalhar as medidas de ajuste propostas pelo governo, como o retorno da CPMF. Parlamentares chegam a defender que não se vote medidas como a do imposto do cheque. “Por mim, não vota nenhum aumento de imposto enquanto o governo não fizer as reformas estruturais. Senão, você só vai aumentar imposto e não vai votar coisa nenhuma, porque o PT não quis votar a mudança das regras do pré-sal, imagina a reforma da Previdência?”, disse o senador Romero Jucá (PMDB-RR).

Numa demonstração de dificuldades que o governo poderá ter, Jucá classificou como “doidice” a proposta do ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, de adotar uma “banda fiscal” para acomodar a frustração de arrecadação deste ano. “Precisamos ter realismo fiscal”, afirmou. Jucá se diz a favor do projeto de limite do endividamento da União, de autoria do senador José Serra (PSDB-SP).

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), também anunciou ontem uma agenda própria para os deputados. Ele vai criar comissões temáticas que devem atuar por 30 dias para discutir uma série de assuntos. A primeira delas debaterá todas as propostas de exploração do pré-sal, tanto a que tramita na Câmara como a que foi aprovada pelos senadores na semana passada. “A resultante da comissão especial é que será levada ao plenário”, disse Cunha.

Outra comissão será destinada a formular um projeto de reforma da Previdência, tema que o governo patina em fechar uma proposta e que é alvo de fortes críticas do PT. Cunha disse que o objetivo de antecipar as discussões na Câmara não é confrontar com o texto que será mandado pelo Executivo, mas sim incluí-lo no projeto em construção assim que for enviado ao Congresso. “O objetivo não é contrapor, é fazer andar”, afirmou.

Diálogo. Integrantes da área econômica não querem um confronto com o Congresso, disse uma fonte do governo. Segundo essa fonte, a ideia é insistir em diálogo para construir uma agenda conjunta de votações, porque a crise econômica impõe medidas urgentes para restaurar a normalização do quadro econômico.

O líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), faz coro. “A agenda tem de ser uma agenda do País, não do fulano ou do sicrano. Tem de ser uma agenda focada em projetos importantes para a retomada do crescimento”, disse. / COLABORARAM IGOR GADELHA E DANIEL CARVALHO

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX