Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » Aposta no Minha Casa ‘blinda’ MRV de crise do setor imobiliário

Economia & Negócios

Divulgação

Economia

FGTS

Aposta no Minha Casa ‘blinda’ MRV de crise do setor imobiliário

Empresa liderou lançamentos e vendas de imóveis em 2015; no quarto trimestre, teve lucro de R$ 140 mi

0

Lucas Hirata, Renato Jakitas,
O Estado de S.Paulo

09 Março 2016 | 05h00

Blindada pelo programa Minha Casa Minha Vida, a construtora MRV é uma das poucas incorporadoras que conseguiram se blindar da crise que afeta o mercado imobiliário. A empresa anunciou, na noite de segunda-feira, os resultados financeiros relativos ao quarto trimestre de 2015. A empresa teve lucro líquido de R$ 140 milhões, montante 36% superior em relação ao mesmo período de 2015.

Com base nos dados já divulgados pelas concorrentes, que publicam prévias operacionais com valores de lançamentos e vendas, a MRV também foi a companhia que mais vendeu e lançou imóveis em 2015. Foram mais de 38 mil unidades comercializadas e mais de 33 mil imóveis lançados.

Segundo o analista de mercado do JP Morgan, Marcelo Motta, a explicação para o resultado da empresa se justifica por seu posicionamento de mercado. “A MRV atua dentro da terceira faixa do Minha Casa Minha Vida, que é o segmento ‘premium’ do programa e que conta com recursos do FGTS. Por isso, não foi tão afetado pela crise”, explica Motta. “Se você pegar a Eztec, que é uma empresa sempre com bons fundamentos e também deve reportar lucro, ela deverá sofrer mais com a crise do que a MRV. Isso porque a classe média está com maior dificuldade de obtenção de crédito”, destaca.

Terrenos. Outro indicador bem avaliado pelo mercado é o posicionamento agressivo da MRV em relação à compra de terrenos, dado que indica o apetite da incorporadora para crescer.

Em 2015, a MRV desembolsou R$ 280 milhões de caixa na aquisição de terrenos, número que deve chegar a R$ 300 milhões em 2016, segundo o diretor-presidente da MRV Rafael Menin, em teleconferência com investidores ontem.

No quarto trimestre do an passado, o banco de terrenos da empresa cresceu 25,9% ante igual período do ano anterior, alcançando R$ 33,3 bilhões. 

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.