1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Aposta no Minha Casa ‘blinda’ MRV de crise do setor imobiliário

- Atualizado: 09 Março 2016 | 05h 00

Empresa liderou lançamentos e vendas de imóveis em 2015; no quarto trimestre, teve lucro de R$ 140 mi

MRV é dona de R$ 33 bilhões em terrenos
MRV é dona de R$ 33 bilhões em terrenos
Blindada pelo programa Minha Casa Minha Vida, a construtora MRV é uma das poucas incorporadoras que conseguiram se blindar da crise que afeta o mercado imobiliário. A empresa anunciou, na noite de segunda-feira, os resultados financeiros relativos ao quarto trimestre de 2015. A empresa teve lucro líquido de R$ 140 milhões, montante 36% superior em relação ao mesmo período de 2015.

Com base nos dados já divulgados pelas concorrentes, que publicam prévias operacionais com valores de lançamentos e vendas, a MRV também foi a companhia que mais vendeu e lançou imóveis em 2015. Foram mais de 38 mil unidades comercializadas e mais de 33 mil imóveis lançados.

Segundo o analista de mercado do JP Morgan, Marcelo Motta, a explicação para o resultado da empresa se justifica por seu posicionamento de mercado. “A MRV atua dentro da terceira faixa do Minha Casa Minha Vida, que é o segmento ‘premium’ do programa e que conta com recursos do FGTS. Por isso, não foi tão afetado pela crise”, explica Motta. “Se você pegar a Eztec, que é uma empresa sempre com bons fundamentos e também deve reportar lucro, ela deverá sofrer mais com a crise do que a MRV. Isso porque a classe média está com maior dificuldade de obtenção de crédito”, destaca.

Terrenos. Outro indicador bem avaliado pelo mercado é o posicionamento agressivo da MRV em relação à compra de terrenos, dado que indica o apetite da incorporadora para crescer.

Em 2015, a MRV desembolsou R$ 280 milhões de caixa na aquisição de terrenos, número que deve chegar a R$ 300 milhões em 2016, segundo o diretor-presidente da MRV Rafael Menin, em teleconferência com investidores ontem.

No quarto trimestre do an passado, o banco de terrenos da empresa cresceu 25,9% ante igual período do ano anterior, alcançando R$ 33,3 bilhões. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX