1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Argentina deposita pagamento a detentores de dívida reestruturada

REUTERS

26 Junho 2014 | 14h 54

A Argentina depositou nesta quinta-feira pouco mais de 1 bilhão de dólares para pagamento aos detentores da dívida reestruturada do país que vence na próxima segunda-feira, informou o governo, enquanto negocia com credores "holdouts" para evitar um default.

Mas uma sentença do juiz norte-americano Thomas Griesa impede que os creedores que aceitaram a troca de dívida cobrem seu dinheiro se a Argentina não pagar também os detentores chamados de "holdouts" que não participaram da reestruturação e que exigem a liquidação completa dos passivos.

Griesa determinou que os bancos dos Estados Unidos que processam os pagamentos da dívida da Argentina devem reter o dinheiro.

Embora a Argentina tenha pedido ao juiz que suspenda temporariamente a medida para poder pagar seus credores reestruturados e ter tempo de negociar com os outros, o magistrado recusou nesta quinta-feira o pedido, deixando o país à beira de um default técnico.

Lendo um comunicado oficial, o ministro da Economia da Argentina, Axel Kicillof, declarou que uma decisão oficial de confiscar os recursos afeitaria os direitos dos credores que aceitaram as renegociações anteriores.

"Em cumprimento do prospecto e do contrato vigente com os detentores que aderiram voluntariamente à troca da dívida no período de 2005-2010, (a Argentina) procedeu ao pagamento dos serviços de capital e juros de seus bônus sob legislação estrangeira", disse Kicillof.

O ministro declarou que foram depositados 832 milhões de dólares, dos quais 539 milhões de dólares foram transferidas a contas do Banco of New York Mellon no banco central argentino.

O passivo financeiro supera levemente 1 bilhão de dólares ao somar a dívida denominada em pesos argentinos.

"Não pagar, tendo os recursos e forçando um default voluntário, é algo que não está contemplado na lei argentina", disse o comunicado oficial.

A Argentina deu calote em 100 bilhões de dólares em 2001-2002. E a disputa legal é com um pequeno grupo de investidores que recusou os termos da reestruturação de dívida do país.

Griesa obriga a Argentina a pagar cerca de 1,33 bilhão de dólares a esse grupo de detentores de dívida inadimplente.

A Argentina precisa encontrar uma solução rápida, após a Suprema Corte dos EUA informar na semana passada que não aceitou escutar recurso de uma sentença anterior.

Kicillof voltou na madrugada de quinta-feira de Nova York, onde fez apresentação à Organização das Nações Unidas sobre os problemas da dívida inadimplente. Lá, reuniu-se com advogados argentinos, mas não teve contato com os chamados "holdouts".

(Reportagem de Jorge Otaola e Walter Bianchi)

((Tradução Redação São Paulo; 5511 5644-7727)) REUTERS BBF TP

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo