1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Argentina revoga autorização para que Bank of New York Mellon opere no país

REUTERS

26 Agosto 2014 | 12h 23

Medida acontece ao mesmo tempo em que o Congresso argentino debate projeto para transferir o pagamento da dívida do 'Bony' para o estatal Banco Nación

Marcos Brindicci/Reuters
A medida acontece ao mesmo tempo em que o Congresso projeto de lei enviado por Cristina Kirchner para que o estatal Banco Nación substitua o Bony como o agente de pagamento dos títulos argentinos reestruturados sobre leis estrangeiras

A Argentina revogou a autorização legal para que o Bank of New York Mellon (Bony) opere no país, afirmou o governo nesta terça-feira, no momento em que lança investida contra a entidade por ter acatado a decisão de uma corte norte-americana que fez o país cair em calote (default).

A medida tomada pelo Banco Central acontece ao mesmo tempo em que o Congresso argentino debate um projeto de lei enviado pela presidente Cristina Kirchner para que o estatal Banco Nación substitua o Bony como o agente de pagamento dos títulos argentinos reestruturados sobre leis estrangeiras.

O banco se negou a finalizar no fim de julho o pagamento dos juros de um bônus Discount, por causa da ordem do juiz distrital norte-americano Thomas Griesa para que o país pague primeiro os hedge funds que buscam recuperar o valor total dos títulos que a Argentina deixou de honrar em seu default de 2002.

A Argentina se negou a cumprir a determinação de Griesa, que implicaria pagar US$ 1,33 bilhão mais juros aos litigantes, liderados pelos fundos NML e Aurelius.

O governo argentino acusou o Bony de não ter cumprido com seu dever de agente de pagamento e ameaçou processá-lo.

"A Superintendência de Entidades Financeiras e Cambiais (do Banco Central...) revogou a autorização para a representação do Bony na República Argentina", disse a jornalistas o chefe de Gabinete de Ministros, Jorge Capitanich, sem dar mais detalhes.

O banco central afirmou em sua resolução que revogou a representação legal do Bony por que o banco não ter cumpriu uma série de requerimentos técnicos para operar no país.

Mas uma fonte da entidade afirmou sob condição de anonimato que a revogação da representação legal não impedirá o Bony de transferir para o exterior os US$ 539 milhões que a Argentina depositou em suas contas locais para o pagamento do vencimento do bônus Discount se a entidade decidir concluir o processo.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo