1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Arrecadação tem o pior desempenho para fevereiro desde 2010

- Atualizado: 18 Março 2016 | 13h 10

Recessão fez recolhimento de impostos e contribuições federais somar R$ 87,8 bilhões no mês passado, queda de 11,5% ante o mesmo mês de 2015 e recuo de 32,7% na comparação com janeiro

BRASÍLIA - A arrecadação de tributos pela Receita Federal voltou a registrar queda no mês de fevereiro. A atividade econômica em recessão levou o recolhimento de impostos e contribuições federais a somar R$ 87,851 bilhões no mês passado, uma queda real (já descontada a inflação) de 11,53% na comparação com o mesmo mês de 2015. Foi o pior desempenho para meses de fevereiro desde 2010.

De acordo com os dados divulgados pela Receita Federal, em relação a janeiro, houve uma queda de 32,71%.

A arrecadação veio dentro do intervalo das estimativas coletadas pelo AE Projeções, que iam de R$ 62,000 bilhões e R$ 96,000 bilhões, de acordo com pesquisa feita com 21 instituições do mercado. A mediana das previsões era de R$ 91,500 bilhões.

Desonerações resultaram em uma renúncia fiscal de R$ 14,2 bilhões no primeiro bimestre

Desonerações resultaram em uma renúncia fiscal de R$ 14,2 bilhões no primeiro bimestre

Nos dois primeiros meses do ano, já com Nelson Barbosa à frente do Ministério da Fazenda, a arrecadação federal somou R$ 217,236 bilhões, um recuo real de 8,71% na comparação com o mesmo período do ano passado. O valor também é o menor para o período desde 2010.

A arrecadação em queda é um dos motivos que levaram o governo a anunciar que pretende pedir ao Congresso Nacional a possibilidade de abater da meta fiscal deste ano frustrações de receitas e alguns gastos com investimento e saúde.

Quedas. O maior impacto foi na arrecadação de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ), que registrou um recuo de R$ 6,923 bilhões, ou 13,36%, na comparação com os dois primeiros meses do ano passado. No total, foram R$ 44,906 bilhões com o imposto.

A receita previdenciária caiu R$ 4,146 bilhões, uma queda de 6,40%. A arrecadação com PIS/Cofins recuou R$ 3,182 bilhões (-6,61%). No caso do imposto de importação, a perda foi de R$ 1,945 bilhão, ou menos 19,64%, na comparação com o mesmo período de 2015. O IPI caiu R$ 1,872 bilhão (-26,77%) e o Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF) sobre rendimentos do trabalho recuou R$ 1,240 bilhão (-6,42%). 

A Receita registrou alta na arrecadação de IRPF sobre rendimentos de capital, com uma elevação de R$ 1,083 bilhão, ou 15,20%. Também houve alta na Cide Combustíveis, que passou a valer no ano passado. No primeiro bimestre deste ano, foram arrecadados R$ 969 milhões, contra R$ 1 milhão em igual período do ano passado. 

Desonerações. As desonerações concedidas pelo governo resultaram em uma renúncia fiscal de R$ 14,186 bilhões no primeiro bimestre deste ano, valor 5,56% inferior ao mesmo período de 2015 (R$ 19,742 bilhões). No mês passado, as desonerações totalizaram R$ 7,093 bilhões, 2,61% menor do que no mesmo mês de 2015 (R$ 9,702 bilhões).

Depois das mudanças que reverteram a desoneração de folha de pagamento, essa renúncia custou ao governo R$ 1,211 bilhão em fevereiro e R$ 2,422 bilhões nos dois primeiros meses do ano.

O governo federal arrecadou ainda R$ 17 milhões com o Refis no mês passado, programa de parcelamento concedido através da lei 12.996 de 2014. A arrecadação com o programa nos dois primeiros meses do ano foi de R$ 37 milhões. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX