Astronauta do Itaú vira personagem de livro

Astronauta do Itaú vira personagem de livro

Para encerrar campanha ‘Leia para uma Criança’, banco vai lançar e-book para celular criado a partir do filme exibido na TV

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

16 Outubro 2017 | 05h00

A edição 2017 da campanha “Leia para uma Criança”, do Itaú Unibanco, atingiu a marca de 4 milhões de livros distribuídos em nove dias – menos de um terço do período que foi necessário para esgotar o mesmo estoque no ano passado (28 dias). Segundo o superintendente de marketing do Itaú, Eduardo Tracanella, o resultado pode ser explicado pela qualidade da campanha deste ano, simbolizado pelo filme protagonizado por uma menina que se torna uma astronauta quando adulta – a trama, em breve, vai virar livro. 

Exibida com frequência na televisão e junto com os trailers nos cinemas do Espaço Itaú de Cinema, a peça publicitária, criada pela agência DPZ&T, também tem sido procurada na internet: no canal do YouTube do banco, o filme já contabiliza mais de 4 milhões de visualizações. A história vai ganhar uma nova vida, em formato de e-book para celular. Até o fim deste mês, estará disponível, em um aplicativo, a versão completa da narrativa, que terá o título Uma Menina nas Estrelas. 

A campanha “Leia para uma Criança”, que este ano já incluiu a exibição de um documentário sobre a importância da leitura para crianças de zero a cinco anos e também uma série de resenhas de livros infantis na revista de literatura 451 (distribuída junto com a Piauí), terá novos passos nas próximas semanas. Um deles será reduzir a ênfase na distribuição de livros – a prática, segundo Tracanella, não será abandonada, mas a ideia é garantir que a iniciativa transcenda os dois títulos escolhidos todos os anos pela Fundação Itaú.

Para encerrar a principal fase do projeto em 2017 – que sempre aproveita o mês da criança para ganhar visibilidade –, o Itaú falará pela primeira vez da importância de fazer os livros circularem na sociedade. “A ideia é começar a falar da troca de títulos, pois livros na estante não mudam o mundo”, explica o executivo da instituição. “E, à medida que as crianças crescem, livros que ficaram obsoletos, ainda podem ser doados para outras famílias.”

Um dos desafios da campanha de leitura infantil para o próximo ano, aliás, será colocar a troca de livros como um dos pontos centrais da iniciativa. Enquanto neste ano o tema será apenas trabalhado na comunicação, o objetivo, segundo o superintendente de marketing do Itaú, será criar uma forma para facilitar a circulação de livros antigos. Será, segundo ele, uma forma de aumentar o impacto do projeto.

Para Tracanella, o resultado da busca pelos livros e também os comentários sobre a campanha ajudaram a garantir que a “Leia para uma Criança” gerasse mídia espontânea, fazendo com que mais pessoas se interessassem pela mensagem sobre leitura infantil. “É uma causa que muda o mundo para melhor, mas que também traz benefícios para a marca, pois gera identificação e proximidade com o Itaú”, ressalta o executivo.

Investimento. O filme protagonizado pela astronauta, que ancorou o projeto da Fundação Itaú, envolveu uma produção cuidadosa – e cara – que ficou a cargo da produtora Saigon. Segundo a DPZ&T, as cenas da base espacial foram rodadas em um dos principais observatórios astronômicos do mundo: o La Silla, localizado a 2,4 mil metros de altitude, no deserto do Atacama, Chile. As demais cenas do filme – como a mãe e a filha interagindo em uma casa – foram feitas em Santiago. 

A trilha, que inclui uma versão para Starman, de David Bowie, foi produzida pela Satélite Áudio e gravada em Los Angeles, nos Estados Unidos. A voz principal da versão exclusiva do comercial é da cantora brasileira Tássia Holsbach. O coral infantil  que acompanha ao fundo reuniu crianças americanas, de forma a garantir que a pronúncia do inglês fosse perfeita. Além da versão mais longa, de 2 minutos, o filme está sendo exibido em versões editadas de 90 e 30 segundos. 

Mais conteúdo sobre:
DPZ&T Marketing

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.