Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Economia & Negócios

Economia » Atrasos em voos da Copa estão abaixo da média internacional

Economia & Negócios

Economia

Atrasos em voos da Copa estão abaixo da média internacional

Índice médio de atraso desde a abertura é de 6,5%, menos que o tolerado pelo padrão internacional (15%) e do registrado na Europa em 2013 (8,4%)

0

Daniela Amorim e Hugo Passarelli,
O Estado de S. Paulo

16 Junho 2014 | 18h47

RIO - O ministro da Secretaria de Aviação Civil (SAC), Moreira Franco, afirmou que o País não registrou problemas nos aeroportos durante a Copa do Mundo. Desde a abertura do Mundial, o índice médio de atraso foi de 6,5%, com dados atualizados do último boletim da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Nesta segunda-feira, foi registrado o maior índice desde então - 9% -, impactado pelo aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, que amanheceu fechado.

"São números muito abaixo do padrão internacional aceitável", disse Moreira Franco. De acordo com o SAC, o índice de atraso tolerado pelo padrão internacional é de até 15%. Na Europa, a média foi de 8,4% em 2013, segundo dados do Eurocontrol, agência que monitora o tráfego aéreo na região. Já a média de cancelamentos ficou em 11,22%.

"Minha expectativa é que nas próximas semanas possamos manter o mesmo padrão de atendimento", disse o ministro da Aviação. "Nós não temos tido problemas até agora. Os fatos ocorridos são fatos que estão dentro do que já tínhamos nos organizado para enfrentar, nada grave", declarou.

O diretor-presidente da Anac, Marcelo Guaranys, informou que os indicadores estão dentro do esperado em todas as regiões do País. No Recife, o índice de atrasos está em 3,23%, enquanto em Confins chegou a 10,34%. Segundo ele, a Anac estima um pico de até 15% para atrasos de voos, enquanto os cancelamentos devem oscilar entre 5% a 10%. "Os números estão totalmente dentro do padrão de normalidade", garantiu Guaranys.

Apesar da Copa, as passagens aéreas nacionais estão mais baratas. A Anac aponta que os preços giravam em torno de R$ 320,00, em média, no início do mês, contra um valor médio de R$ 360,00 praticado no segundo semestre do ano passado.

Infrações. Foram aplicados apenas 25 autos de infração por descumprimento de direitos de passageiros desde o início do mundial. "Não dá nem uma aeronave pequena da Azul", comparou Guaranys.

A agência aplicou ainda 11 penalidades por fiscalização técnica, que incluem, por exemplo, permanência em solo por tempo maior do que o contratado ou documentos de pilotos com validade expirada.  Na aviação executiva, as punições a aeronaves que desrespeitam o horário de slot ou que ficam mais tempo no solo vão de R$ 7 mil a R$ 93 mil. Em Guarulhos, uma aeronave particular procedente da Nigéria recebeu a pena mais rigorosa por ter permanecido por mais de 24h em solo, sem intenção de decolar.

"Por ser aeronave estrangeira, a penalidade, além da multa, é que a Anac suspendeu a autorização dela de navegar no País. Então, além de multa, a aeronave está suspensa de operar no País", disse Guaranys. "Não tivemos maiores ocorrências durante esse período. Algumas excedências de permanência de solo, mas também dentro do padrão", afirmou.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.