1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Aumento da desigualdade veio para ficar, diz OCDE

Reuters

02 Julho 2014 | 14h 24

Na esteira do economista Thomas Piketty, entidade diz que os governos precisam investir mais na educação e construir sistemas fiscais mais progressivos

A desigualdade econômica observada nos últimos anos só tende a piorar nas próximas décadas, à medida que trabalhadores altamente qualificados obtenham ganhos maiores com os avanços tecnológicos, disse a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) nesta quarta-feira.

Os governos precisam investir mais na educação e construir sistemas fiscais mais progressivos, observou entidade sediada em Paris, no último de uma série de relatórios sobre a evolução econômica no longo prazo.

O debate sobre a desigualdade ficou mais aquecido depois do sucesso de O Capital no Século XXI, best-seller do economista francês Thomas Piketty. Seu trabalho mostra que a diferença de riqueza entre os ricos e o restante da população está retornando aos níveis vistos pela última vez antes da Primeira Guerra Mundial.

Ao longo das duas décadas que antecederam a crise financeira, os salários mais altos nos países da OCDE cresceram em média 0,6% por ano mais rápido do que os de renda mais baixa, disse a entidade, que reúne 34 nações.

Se nada for feito, a desigualdade vai continuar crescendo nessa taxa ao longo dos próximos 50 anos, embora se espere que os ganhos reais subam em todas as camadas de renda.

Nesse ritmo, a desigualdade média entre os rendimentos brutos os países da OCDE chegará em 2060 ao nível dos Estados Unidos, país cuja diferença de renda é uma das maiores do grupo.

Depois de Israel, os Estados Unidos continuariam a ser o país com maior desigualdade de rendimentos, de acordo com projeções da OCDE.