1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine

Banco Mundial reduz previsão de crescimento do Brasil

Altamiro Silva Júnior - correspondente em Nova York

10 Junho 2014 | 19h 50

Estimativa para alta do PIB passou de 2,4% para 1,5%; instituição aponta gargalos na infraestrutura, baixa confiança na economia e demanda fraca

O Banco Mundial reduziu a previsão para o crescimento do Brasil este ano. A projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro é de alta de 1,5% em 2014, abaixo da estimativa divulgada em janeiro pela instituição, quando previa avanço de 2,4%.

A economia brasileira deve ter uma das menores taxas de expansão entre os países emergentes, só perdendo de países como Argentina, Venezuela, Sérvia e Ucrânia.

Para 2015, a projeção foi mantida em 2,7%. Já a de 2016 também foi rebaixada pelo Banco Mundial, que em janeiro previa o Brasil crescendo 3,7% e agora reduziu a estimativa para 3,1%, de acordo com o relatório “Perspectivas Econômicas Mundiais” divulgado nesta terça-feira, 10.

Entre os fatores responsáveis pelo baixo crescimento econômico do Brasil este ano, o Banco Mundial cita que os estrangulamentos na infraestrutura, baixa confiança dos empresários, demanda doméstica fraca e crédito mais difícil estão entre os principais responsáveis.

O documento também menciona a deterioração de alguns números da economia brasileira, como as contas externas, fiscais e a persistente pressão da inflação. A recomendação do Banco Mundial para países com inflação que teima em não baixar é continuar elevando os juros. “Um aperto gradual da política monetária reduziria as vulnerabilidades e aumentaria a resistência”, recomenda o relatório.

No caso do Brasil, África do Sul e Turquia o documento alerta que, apesar da calma atual do mercado financeiro mundial, a vulnerabilidade persiste nesses países, que têm uma combinação perigosa de inflação alta e déficit da conta corrente. A projeção é que esse déficit, no caso do Brasil, piore de 3,6% do PIB em 2013 para 3,9% este ano.

Economia global. O Banco Mundial também reduziu as projeções de expansão para este ano da economia mundial e dos países em desenvolvimento. A previsão é que o mundo cresça 2,8% este ano, abaixo dos 3,2% estimados em janeiro.

No caso dos países considerados emergentes, a expectativa agora é que esse grupo de países cresça 4,8% este ano, menos do que os 5,3% estimados em janeiro.