1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Fazenda confirma Otávio Ladeira como secretário do Tesouro Nacional

- Atualizado: 12 Fevereiro 2016 | 15h 57

Ladeira, que ocupava o cargo interinamente, será o primeiro funcionário de carreira do Tesouro a comandar o órgão

Ladeira tem boa relação com o mercado financeiro

Ladeira tem boa relação com o mercado financeiro

BRASÍLIA - O Ministério da Fazenda confirmou Otávio Ladeira como secretário do Tesouro Nacional, conforme antecipou o Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado. Ladeira é funcionário de carreira do Tesouro, e ocupava o cargo interinamente desde dezembro de 2015.

Com a decisão, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, dá uma sinalização da sua preferência por um perfil mais técnico ao Tesouro, órgão que perdeu credibilidade, nos últimos anos, com a adoção de manobras contábeis e pedaladas fiscais durante o período do ex-secretário Arno Augustin, um quadro do PT do Rio Grande do Sul e que tinha forte ligação com a presidente Dilma Rousseff.

O perfil mais técnico será importante na fase atual de negociação do alongamento da dívida dos Estados e municípios e de elaboração de medidas de médio e longo prazos para ajuste dos desequilíbrios das contas públicas, quando as pressões políticas devem aumentar. O novo secretário chega ao topo da carreira do Tesouro num momento complexo de déficit recorde das contas do governo federal. 

Ele tem boa relação com o mercado financeiro e com os representantes das agências internacionais de classificação de risco, com quem foi um dos principais interlocutores do Ministério da Fazenda por muitos anos.

Ladeira ocupava o cargo de subsecretário de planejamento e estatísticas fiscais do Tesouro, setor que cuida diretamente da área que monitora os cenários de médio e longo prazos da política fiscal. Ele também tem experiência na área de dívida pública, onde ocupou o cargo de coordenador geral de planejamento estratégico.

Na interinidade, Ladeira conduziu as operações no final do ano para o pagamento das pedaladas fiscais - como ficaram conhecidas as dívidas atrasadas pelo Tesouro junto aos bancos oficiais e ao FGTS que o Tribunal de Contas da União (TCU) mandou corrigir.

Uma das tarefas mais urgentes será nomear o subsecretário da dívida pública, cargo que está vago desde agosto do ano passado quando Paulo Valle deixou o posto. Esse é dos postos mais delicados do Ministério da Fazenda, responsável pela gestão da dívida pública interna e externa e dos leilões de venda de títulos. A falta de definição do comando da dívida já é motivo de desconforto há meses no Tesouro Nacional.

Currículo. O novo secretário fez sua graduação e mestrado em Ciências Econômicas pela Universidade de Brasília (UnB), MBA executivo em finanças pelo Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais e extensão em "The Theory and Operation of a Modern National Economy", na George Washington University.

Ladeira é autor de publicações técnicas na área de dívida e coordenou o livro Dívida Pública: a Experiência Brasileira, lançado em 2009 pela STN em parceria com o Banco Mundial. "Considerado um marco na área, o livro explora a experiência do País no gerenciamento da sua dívida pública", afirmou em nota a Fazenda.

Como docente, Ladeira atuou como professor de pós-graduação de Direito Econômico e de Empresas na Fundação Getulio Vargas (FGV) e de Debt Management on Macroeconomic and Financial Management no Institute of Eastern and Southern Africa (Angola).

Durante sua carreira no Ministério da Fazenda, Ladeira foi presidente do Conselho Fiscal do Banco do Brasil Investimentos S.A. (2001 a 2005 e 2009 a 2012) e do Conselho Fiscal do Banco do Brasil S.A. (2005 a 2009).

(Com informações de Rachel Gamarski, da Agência Estado)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX