1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Barbosa discute com BNDES e bancos privados medidas para destravar crédito

- Atualizado: 13 Janeiro 2016 | 20h 41

Ministro da Fazenda se reúne nesta quinta com presidentes de bancos para buscar apoio aos planos em estudo dentro do governo para elevar o crédito

Edição do decreto é a 1ª medida de controle de gastos da gestão de Nelson Barbosa

Edição do decreto é a 1ª medida de controle de gastos da gestão de Nelson Barbosa

Na tentativa de fechar um conjunto de medidas para estimular o crédito, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, discute nesta quinta-feira, 14, com o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, em São Paulo, linhas do banco que poderão ser utilizadas e quais setores serão beneficiados. A ideia é que o banco de fomento utilize parte dos R$ 30 bilhões que recebeu do governo no pagamento das pedaladas fiscais para estimular áreas consideradas estratégicas para segurar a queda da atividade econômica e do investimento.

Barbosa tem se reunido com os presidentes dos bancos públicos, mas quer apoio também das instituições privadas. O ministro deve aproveitar a visita a São Paulo para falar com presidentes de bancos privados, para apresentar as medidas em estudo pelo governo e discutir a situação da economia.

A avaliação de Barbosa, segundo interlocutores, é que é preciso estabilizar a economia enquanto as medidas de ajuste fiscal surtem efeito. O ministro, porém, vem insistindo que não serão utilizados subsídios públicos. A ideia é aproveitar o funding mais barato do BNDES para oferecer crédito a taxas mais atrativas, como a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), sem equalização por parte do Tesouro Nacional, como ocorreu nos últimos anos.

A ideia é deixar o máximo encaminhado antes da próxima semana, quando o ministro parte para o Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. O governo está estudando a melhor forma de fazer o anúncio das medidas, que não quer divulgar como um pacote salvador, mas sim como ações pontuais para melhoria do cenário.

Entre as medidas em estudo está a criação de uma linha para financiamento de capital de giro de empresas exportadoras e outras ações que, em tempo de demanda interna reprimida, possa ajudar a escoar a produção nacional. Também deverá ser criada uma linha para financiamento de capital de giro de pequenas e médias empresas. Além disso, o governo trabalha em um programa mais amplo para desenvolver questões como treinamento de mão de obra e melhoria de gestão.

Pedidos. Nas últimas semanas, Barbosa tem recebido empresários e representantes do setor privado, que têm apresentado demandas para ajudar seus setores a enfrentar a crise. Uma das reivindicações veio do setor automotivo, que pediu para o governo um programa que estimule a renovação da frota.

O programa está sendo estudado pelo Ministério do Desenvolvimento, mas sem o uso de subsídios. Na semana passada, o ministro Armando Monteiro disse ao Broadcast que uma das alternativas para financiar a iniciativa é utilizar recursos do DPVAT ou de um seguro criado com essa destinação. Esta semana, após reunião com o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos (Anfavea), Luiz Moan, a Fazenda divulgou nota dizendo não haver espaço para projetos que impliquem em subsídios.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX