1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Barbosa discute com economistas saídas para a crise

- Atualizado: 05 Fevereiro 2016 | 05h 00

Em São Paulo, ministro teve conversas separadas com especialistas de diferentes correntes

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, se reuniu nesta quinta-feira, 4, em São Paulo, separadamente, com economistas de diferentes correntes para discutir o cenário econômico do País e saídas para a crise. Entre os assuntos, o tema da reforma fiscal e o estabelecimento de um limite de gastos para o governo estavam entre os mais importantes.

O presidente do Insper, Marcos Lisboa, um dos participantes dos encontros, classificou como positiva a iniciativa do ministro. Segundo ele, houve uma mudança no debate público e econômico no período de 2013-2014 para cá. Os desafios não são novos, mas os temas eram ignorados”, disse Lisboa, citando a política fiscal e previdenciária. Segundo ele, antigamente os debates demoravam. Por isso, considera positivo o ministro estar agora ouvindo os especialistas – também estavam previstas conversas com Márcio Pochmann, Luiz Gonzaga Belluzzo e Bernard Appy.

Barbosa também tratou sobre a reforma fiscal
Barbosa também tratou sobre a reforma fiscal
Para Lisboa, o problema fiscal no Brasil não decorre simplesmente dos gastos públicos, mas do crescimento desses gastos. Tanto que, nos últimos anos, segundo ele, mesmo com os investimentos públicos, o investimento, de forma global, e o emprego entraram em uma rota descendente. Na questão previdenciária, por exemplo, Lisboa colocou ao ministro a necessidade de se estabelecer uma idade mínima para a aposentadoria.

“No Brasil, o homem se aposenta com 55 anos, enquanto em outros países a idade mínima é de 65 anos”, disse Lisboa. Na avaliação dele, a questão previdenciária no Brasil obedece critérios muito peculiares e citou, por exemplo, a utilização de depósitos judiciais pelo governo do Rio de Janeiro para acerto de suas contas. “Mas são medidas que só mascaram o problema, adiam o problema.”

Investimento. Um outro interlocutor do ministro disse que também foi tratado nas conversas a forma como o governo poderia empregar os recursos de R$ 22 bilhões do FI-FGTS para projetos de infraestrutura. “O ministro tem ciência de que é preciso harmonizar a necessidade de continuar mirando o equilíbrio fiscal com a volta do crescimento e retomada dos investimentos. É preciso estimular o nível de atividade, porque está despencando, e não cometer o erro do ano passado, que ficou só no ajuste fiscal e deu errado”, comentou.

Também foi cogitada nas conversas a possibilidade de se usar recursos do Novo Banco de Desenvolvimento, o Banco dos Brics, para aumentar os investimentos em logística e infraestrutura no País.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX