1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Nelson Barbosa diz esperar inflação abaixo de 7% neste ano

- Atualizado: 25 Março 2016 | 09h 13

Ministro enfatizou que isso representaria uma redução de quase quatro pontos em relação ao IPCA de 2015, mas não comentou o fato de ainda assim a taxa poder ficar acima do teto da meta, de 6,5%, pelo segundo ano consecutivo

Para o ministro, já há sinais mais favoráveis em relação ao comportamento da inflação nas últimas semanas

Para o ministro, já há sinais mais favoráveis em relação ao comportamento da inflação nas últimas semanas

BRASÍLIA - O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, disse esperar que a inflação encerre o ano "menor que 7%". Em entrevista à TV NBR na noite desta quinta-feira, ele não fez qualquer menção ao fato de que, se essa previsão se concretizar, a inflação vai estourar o teto da meta pelo segundo ano consecutivo. Em 2015, a inflação oficial, medida pelo IPCA, ficou em 10,67% ao ano. A meta de inflação é de 4,5% ao ano, com tolerância de até 6,5%. 

"Muito provavelmente vamos ter uma inflação neste ano menor que 7%, se continuar a tendência das últimas semanas, o que significa uma redução de quase 4 pontos (porcentuais) em relação ao que ocorreu no ano passado", afirmou o ministro. 

"Isso significa maior maior poder de compra para os trabalhadores e famílias brasileiras, que se sentirão mais seguros para poder voltar a consumir e fazer suas compras usuais, eventualmente adiadas diante desse cenário de incerteza", acrescentou.

Para o ministro, já há sinais mais favoráveis em relação ao comportamento da inflação nas últimas semanas. Segundo ele, o IPCA veio abaixo das expectativas do mercado, o que deve levar os economistas a reduzir suas projeções para o ano.

Barbosa disse ainda esperar que os projetos que o governo enviou nesta semana ao Congresso possam ser aprovados em até um mês e meio. Entre eles, está o pacote de renegociação da dívida dos Estados, a criação de um teto para a despesa com pessoal para União e Estados, a mudança da meta fiscal, ampliando as possibilidades de abatimento, e a criação de depósitos remunerados no Banco Central.

"Achamos que essas medidas podem ser aprovadas no prazo de um mês ou um mês e meio, talvez até antes", disse. Segundo o ministro, alguns parlamentares mostraram disposição para começar a analisar e votar alguns desses projetos já na próxima semana.

Barbosa admitiu ainda que a instabilidade política tem impacto na economia, principalmente no que diz respeito às expectativas, e fez um apelo por um debate "mais civilizado e educado".

"Se a gente conseguir, e estamos trabalhando para estabilizar também a situação política, a recuperação econômica é mais rápida. Uma recuperação mais rápida ajuda a diminuir a temperatura e a polarização do debate politico, mas essa é uma via de mão dupla", afirmou.

"Um debate politico mais civilizado e educado também ajuda muito na recuperação da economia. Acho que está na hora de a gente poder sentar na mesa, mesmo que as pessoas tenham opiniões divergentes, e poder dialogar. Um debate em que todo mundo grita e ninguém ouve ninguém não vai resolver problema nenhum." 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX