1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Barbosa diz que reservas são seguro importante e têm de ser preservadas

- Atualizado: 11 Março 2016 | 16h 41

Ministro da Fazenda rejeita proposta do PT de usar recursos para promover investimentos; para ele, crise política não deve atrapalhar discussão sobre reformas no Congresso

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa

 SÃO PAULO - O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, afirmou nesta sexta-feira, 11, que as reservas internacionais são um ativo importante que precisa ser preservado. Questionado sobre o que acha da proposta do PT de usar as reservas para promover investimentos, o ministro, que se reuniu com lideranças do partido nesta quinta-feira, incluindo o ex-presidente Lula, disse que esse "seguro" dá autonomia de política econômica para o Brasil.

"As reservas são um ativo importante. É pela acumulação de reservas que hoje temos uma maior estabilidade no balanço de pagamentos, o que nos dá autonomia para discutir a solução dos nossos problemas com os brasileiros, com os empresários, trabalhadores e parlamentares brasileiros. É um seguro importante contra flutuações no câmbio e tem de ser preservado, especialmente nesse momento de turbulência", afirmou após reunião com membros do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi).

Barbosa comentou que tem conversado com o PT e o PMDB sobre vários temas, incluindo a reforma da Previdência. Segundo ele, nesse ponto as divergências são mais sobre a estratégia política de construção da proposta de reforma, e não sobre o mérito das mudanças. "Todos concordam que é preciso preservar a Previdência e isso envolve adotar alguma medida. Estamos discutindo a forma e o melhor tempo de apresentar essas mudanças. Eu acho importante apresentar depois das discussões do Fórum da Previdência, que foi um compromisso assumido pela presidente Dilma no ano passado", disse. 

Congresso. O ministro da Fazenda também afirmou que é possível para o governo aprovar medidas no Congresso mesmo no atual momento de turbulência política. "No ano passado o Congresso sempre se dispôs a discutir. Eles têm aprovado as coisas na direção apresentada pelo governo. Existem mudanças aqui e ali, de intensidade, mas no ano passado as reformas que encaminhamos foram aprovadas e creio que o mesmo possa acontecer este ano", afirmou após reunião com membros do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi).

O ministro não respondeu à pergunta sobre matéria divulgada nesta quinta-feira, 10, pelo Broadcast, serviço de informações da Agência Estado - citando fontes da equipe econômica - de que o governo estuda novos aumentos de tributos como um "plano B" no caso do Congresso não aprovar a volta da CPMF.

Barbosa disse que o encontro de hoje faz parte de uma série de reuniões com lideranças políticas, trabalhadores, mercado financeiro e setor empresarial, nas quais o governo apresenta sua estratégia de ações econômicas de curto e médio prazo. "Estamos ouvindo sugestões sobre onde podemos avançar, independentemente de leis ou mudanças que têm de passar pelo Congresso. Existe uma série de mudanças administrativas, de desburocratização, simplificação, que a gente pode adotar. Vamos trabalhar nisso nas próximas semanas", afirmou.

Questionado se ouviu críticas, Barbosa disse que no encontro foi expressado um "anseio" por medidas que melhorem o funcionamento da economia, além de uma concordância geral de que é preciso adotar ações para estabilizar a atividade no curto prazo, preservando emprego e renda, e ao mesmo tempo encaminhar solução para os problemas estruturais, garantindo a estabilidade fiscal e o controle da inflação.

Entre os empresários reunidos com Barbosa estavam representantes da Suzano Papel e Celulose, Confecções Guararapes, M. Dias Branco, Klabin, Totvs, Natura, Embraer, Ultrapar, Odebrecht Agroindustrial e Camargo Corrêa.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX