1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Barbosa pede apoio do PT para flexibilizar meta fiscal

- Atualizado: 08 Março 2016 | 18h 24

Ministro da Fazenda quer reduzir meta em R$ 84 bilhões; parlamentares, porém, pedem entre R$ 90 bilhões e R$ 100 bilhões para Saúde e programas sociais

BRASÍLIA - Em meio à crise e com o desenho de um déficit fiscal para o fim do ano, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, recebeu deputados do PT nesta terça-feira, 8, e pediu que os parlamentares apoiassem o Projeto de Lei do Congresso Nacional (PLN), que reduz a meta fiscal em R$ 84,2 bilhões. A medida foi anunciada pelo ministro em janeiro, mas o texto ainda não foi enviado ao Parlamento. 

Mesmo com esse difícil cenário, o PT quer que a flexibilização seja ainda maior, em torno de R$ 90 bilhões a 100 bilhões. "Identificamos a necessidade de espaço fiscal, precisamos do Congresso Nacional, e estamos reivindicando isso enfaticamente, para que (o governo) envie um PLN para abrir um espaço fiscal para destinar recursos à Saúde, Minha Casa, Minha Vida, as políticas da agricultura familiar, obras de água para melhorar a qualidade de vida no nosso povo", disse o líder do partido Afonso Florence (BA) ao deixar a sede da Fazenda. A proposta que o governo deve enviar possibilita, em 2016, um déficit Fiscal de R$ 60,2 bilhões.

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa

Sobre a medida mais polêmica enviada pelo governo ao Congresso, a recriação da CPMF, o PT se diz convicto de que o tributo atingirá apenas os ricos. "Esse não é um imposto para todos, é um imposto para ricos", afirmou o líder. 

Após o encontro, Florence evitou criticar o atual ministro da Fazenda e ressaltou que o governo e o PT têm várias convicções em comum, entre eles o PLN que abre maior espaço fiscal e que deve ser enviado ao Congresso ainda em março. "Essa é a proximidade enorme entre a posição do governo e a do PT", destacou.

Sobre outro tópico polêmico das discussões, a Previdência Social, o parlamentar ressaltou que o governo tem tomado as ações necessárias para a reforma da previdência, mas frisou que neste momento o País tem outras prioridades. 

Para o deputado Henrique Fontana (PT-RS), um dos 35 deputados presentes no café da manhã, primeiro é preciso enfrentar a crise política. "O grande problema do nosso País hoje é a crise política, nós vamos trabalhar para superar esses obstáculos", disse o deputado.

A maior crítica feita pelo líder foi à política econômica adotada em 2015, da qual Barbosa fez parte como ministro do Planejamento. Segundo Florence, é possível aliar espaço fiscal ao rigor necessário na crise. Ele avaliou que, em 2015, a decisão do governo de cortar gastos veio acompanhada de uma queda nas receitas. "Solução fiscal não é só corte de gasto, é também retomada da arrecadação e isso depende da atividade econômica", frisou.

Mesmo com o fraco desempenho da economia, Florence afirmou que a avaliação do PT sobre Barbosa é "boa". "Temos medidas importantes como o anúncio para o crédito do micro e pequeno empreendedor, essa é uma decisão importante do governo. Precisamos de crédito para poder investir e ter capital de giro", disse.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX