1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Barbosa reafirma política econômica, mas mercado já não presta atenção

Ministro defende reformas estruturais para recuperar a confiança, algum desafogo em canais de crédito e medidas fiscais de curto prazo

Fernando Dantas

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa

A recente especulação, posteriormente confirmada, sobre o convite ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para integrar o governo levou os analistas de mercado a discutir intensamente o que poderia acontecer com a política econômica. Uma guinada populista, ao gosto do PT? A tentativa de relançar a alternativa ortodoxa, chamando Henrique Meirelles para a Fazenda? Um meio termo entre os dois? Ou será que Lula no governo usaria toda a sua habilidade política para - como na clássica expressão - fazer a política econômica apontar a seta para a esquerda, agradando aos sindicatos, e virar à direita, conseguindo entregar mais ajuste fiscal e reformas estruturais?

É irônico, portanto, que poucos dias após muita conversa sobre essas angustiantes dúvidas, um discurso bastante detalhado do ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, sobre suas intenções e programa, seja recebido pelo mercado com relativo desinteresse. "Aqui na minha mesa os operadores não estão dando muita bola e eu só acompanhei os 'headlines'", comentou um gestor, referindo-se à apresentação de Barbosa no Fórum Brasil "Como Retomar o Crescimento", da Carta Capital, reportado em tempo real pelo Broadcast.

A razão para o pouco interesse é óbvia. O mercado passou a tratar o impeachment dentro de um prazo de tempo relativamente curto como seu cenário base e, neste caso, as intenções de Barbosa perdem a importância, porque ele será substituído.

Como, porém, em política nada é 100% garantido, é útil observar que o discurso de Barbosa hoje é uma reafirmação ponto por ponto da visão de política econômica que o ministro da Fazenda vem defendendo desde os tempos da sua relação de colaboração e confronto, quando ocupava o Planejamento, com o ex-titular da sua atual pasta, Joaquim Levy.

Em outras palavras, apesar de todo o caos econômico e político e da entrada (se e quando conseguir tomar posse) de Lula no governo, Barbosa sinaliza que não mudou nada em seu plano de voo, mencionando inclusive a reforma da Previdência que, segundo relatos da imprensa, o ex-presidente teria lhe dito diretamente, há poucos dias, para deixar de lado.

Em resumo, a visão de Barbosa é a de que encaminhar reformas estruturais é fundamental para recuperar a confiança e relançar a economia, junto com algum desafogo em canais de crédito e medidas fiscais tópicas no curto prazo, como a aprovação da CPMF. Um ponto polêmico e muito criticado no mercado, e que ele também reforçou, é a extensão do prazo das dívidas de Estados e municípios.

A recente euforia do mercado com a crescente probabilidade de que a presidente Dilma Rousseff sofra impeachment baseia-se na percepção de um grande salto de qualidade na política econômica. Uma das razões é que um novo governo ganharia capacidade política de sair da atual paralisia e tocar o seu programa.

A outra é que a própria política econômica teria um salto qualitativo, já que provavelmente seria calcada nas diretrizes bem mais ortodoxas e liberais do documento "Ponte para o Futuro", do PMDB.

Ambos os motivos podem ser verdadeiros, mas, quando se pensa no salto de qualidade em relação à política atual, há alguns complicadores. É evidente que a governabilidade recuperada daria mais condições para medidas como, por exemplo, a aprovação da CPMF e da Desvinculação da Receitas da União (DRU), que dão algum desafogo no curto prazo.

Mas quando se pensa em alguns dos pontos chave da "Ponte para o Futuro", como o fim da indexação de benefícios previdenciários ao salário mínimo, das vinculações orçamentárias para saúde e educação e da aposentadoria por tempo de contribuição, entre outros, não é evidente que, em meio ao sofrimento econômico de uma recessão brutal, a maioria da população brasileira aceitará passivamente essas medidas que tradicionalmente são percebidas como o suprassumo do antipopular.

Da mesma forma, a ideia de que um novo governo, em situação extrema de dependência de suporte político, suspenderá o acordo com Estados e municípios não parece sensata.

O sócio e economista-chefe da gestora JGP, Fernando Rocha, no Rio, diz que "os Estados estão com a corda no pescoço e certamente qualquer governo será pressionado a fazer alguma coisa para aliviar o caixa deles".

Rocha considera que uma mudança de governo traria melhora nas expectativas e maior cacife para realizar reformas estruturais, o que poderia em algum tempo tirar a economia do atual abismo. Mas ele reconhece que o sonhado upgrade da política econômica é menos simples do que a visão dos mais otimistas: "Os mercados sempre agem assim - hoje só se discute se haverá impeachment, mas, provavelmente, se e quando houver, o que acho provável, acontecerá uma realização (de ganhos), e aí a discussão passará imediatamente a ser sobre a capacidade do novo governo de realizar as mudanças", ele resume. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX