1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

BC diz que alta de preços administrados e dólar explicam estouro da meta da inflação

- Atualizado: 08 Janeiro 2016 | 22h 31

Pela primeira vez, autoridade presta esclarecimento ao ministro da Fazenda no mesmo dia em que o IPCA é divulgado

O estouro do teto da meta de inflação em 2015 está relacionado com o reajuste dos preços administrados, como a energia elétrica, e a valorização do dólar em relação ao real. A justificativa está em carta aberta divulgada pelo Banco Central nesta sexta-feira, 8, ao ministro da Fazenda, Nelson Barbosa. A meta de inflação é de 4,5%, com tolerância de dois pontos porcentuais para cima ou para baixo. Pela primeira vez, a carta é divulgada no mesmo dia em que os números da inflação são conhecidos - o IPCA de 2015 ficou em 10,67%, bem acima do limite máximo estabelecido.

Na carta, o BC afirma que o movimento de realinhamento de preços foi “mais prolongado e mais intenso que o inicialmente previsto” e admite que a sua projeção e a do mercado no fim de 2014 para a inflação ficou distante do ocorrido. 

O BC diz ainda que cabe à política monetária manter-se vigilante, "para conter eventuais efeitos adicionais resultantes dos dois importantes processos de ajustes de preços relativos (preços administrados e câmbio) que dominaram a economia em 2015". Ressalta, também, que tomará as medidas necessárias para fazer o IPCA ficar dentro do limite da meta de inflação em 2016 e convergir para 4,5% em 2017. O texto destaca que, desde o segundo trimestre de 2013, a taxa básica de juros da economia, a Selic, já subiu 7 pontos e está agora em 14,25% ao ano.

Por lei, toda vez que o IPCA rompe a banda de tolerância da meta de inflação, o presidente da autoridade monetária é obrigado a prestar explicações.

Fatores de peso. De acordo com o BC, os administrados responderam por 4,91 pontos porcentuais do IPCA e os preços livres, por 2,97 pontos. No documento, o BC ainda cita que o último semestre do ano também foi impactado por novos reajustes dos preços administrados. 

Já o câmbio representou 1,57 pontos porcentuais da inflação do ano passado e, de acordo com o BC, aumentou seu peso na inflação significativamente no último trimestre de 2015, diante das incertezas com a economia.

A autoridade também pondera que a mudança da trajetória fiscal afetou as projeções para o IPCA. Segundo o BC, elas contribuíram “para a deterioração das avaliações sobre o ambiente macroeconômico no médio e no longo prazo e da confiança dos agentes econômicos”. A instituição pondera que as expectativas, no final de 2014, apontavam para um cenário positivo, com queda nas expectativas para a inflação suavizada doze meses a frente. Esse movimento durou até o fim de agosto, “coincidindo com eventos negativos, do ponto de vista das expectativas de inflação, relacionados à definição da política fiscal”.

O documento diz ainda que a piora das expectativas a partir da segunda metade do ano passado é consistente com o segundo movimento de desvalorização cambial observado em agosto e setembro, seguido de outro episódio de volatilidade ao final do ano.

Em entrevista ao Jornal Nacional, da Rede Globo, Tombini afirmou que a instituição tem “a taxa básica de juros” (a Selic) e que este é o instrumento que utilizará para conduzir a inflação à meta de 4,5% ao ano. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX