1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

BC perde quase R$ 90 bi em 2015 para tentar segurar alta do dólar

- Atualizado: 06 Janeiro 2016 | 14h 08

Autoridade monetária registrou o maior prejuízo desde 2002 com operação de intervenção no câmbio

Com a disparada do dólar no ano passado, o Banco Central registrou perda recorde com as operações de swap cambial. De acordo com dados atualizados pela instituição, o prejuízo com esses leilões em 2015 alcançou R$ 89,657 bilhões pelo resultado caixa e R$ 102,628 bilhões pelo competência. Desde que começou a oferecer esse tipo de operação ao mercado, em 2002, nunca se viu um rombo tão grande para a autoridade monetária. A maior perda anual com os leilões até então havia sido registrada em 2014, de R$ 17,3 bilhões.

O swap é uma arma que o BC possui para evitar volatilidade brusca no mercado de dólares. A instituição alega que o objetivo desse instrumento não é o de controlar a cotação da moeda, já que no País funciona o regime de câmbio flutuante. Em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado no fim do ano passado, o presidente do BC, Alexandre Tombini, chegou a argumentar a parlamentares mais críticos que isso tanto é verdade que o dólar teve valorização de mais de 30% em 2015.

O resultado das operações de swap por competência inclui ganhos e perdas ocorridos no mês, independentemente da data de liquidação financeira. A liquidação financeira desse resultado (caixa) ocorre no dia seguinte, em D+1. Ao longo de 2014, o BC teve perdas de R$ 17,329 bilhões com a oferta desse hedge ao mercado. Em 2013, o BC acabou registrando prejuízo com os leilões de swap da ordem de R$ 1,315 bilhão. Já em 2012, entraram para o caixa da autarquia R$ 1,098 bilhão.

Apenas em dezembro, o BC teve perdas de R$ 7,794 bilhões com os leilões pelo resultado caixa. Essa marca diminuiu bastante, já que até uma semana antes do encerramento do mês, o prejuízo estava em R$ 20,5 bilhões. Pelo resultado competência, o rombo do BC ficou em R$ 4,205 bilhões no mês passado. Em setembro, as perdas somaram R$ 38,6 bilhões (resultado caixa), o maior volume mensal de prejuízo da instituição com esse tipo de operação desde 2002. Em setembro, mês em que o Brasil perdeu o selo de bom pagador pela primeira agência de classificação de risco, o dólar havia registrado alta de 9,39%.

Reservas. Em contrapartida ao prejuízo de 2015, causado efetivamente pelo comportamento do dólar, o BC obteve ganho de rentabilidade com a administração das reservas internacionais de R$ 18,367 bilhões em dezembro pelo mesmo motivo. Entram nesse cálculo ganhos e prejuízos com a correção cambial, a marcação a mercado e os juros. No ano, o lucro da instituição com as reservas está em R$ 443,664 bilhões. O resultado líquido das reservas, que é a rentabilidade menos o custo de captação, ficou positivo em R$ 3,000 bilhões no mês passado. No ano, o saldo segue positivo em R$ 259,973 bilhões.

Com isso, para o BC, o resultado das operações cambiais ficou no vermelho em R$ 1,204 bilhão em dezembro. Em novembro, os ganhos foram de R$ 2,486 bilhões. Em outubro, as perdas somaram R$ 30,437 bilhões. Em setembro, havia ficado no azul em R$ 66,595 bilhões. No ano, essa soma está positiva em R$ 157,345 bilhões.

O BC sempre destaca que, tanto em relação às operações de swap cambial quanto à administração das reservas internacionais, a autarquia não visa ao lucro, mas fornecer hegde ao mercado em tempos de volatilidade e manter um colchão de liquidez para momentos de crise. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX