1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

BCs temem efeitos da turbulência na China

- Atualizado: 12 Janeiro 2016 | 09h 14

Diagnóstico é que desaceleração chinesa pode neutralizar crescimento na Europa

China vem sofrendo com desvalorização do yuan

China vem sofrendo com desvalorização do yuan

BASILEIA - As Bolsas de Valores da China voltaram a fechar ontem em forte queda (o Xangai Composto, principal índice de ações do país, recuou 5,3%), renovando o temor dos efeitos da desaceleração chinesa sobre a economia global. Esse impacto foi um dos principais assuntos discutidos pelos presidentes de bancos centrais de todo o mundo em reunião que terminou ontem em Basileia, na Suíça.

O diagnóstico da reunião foi claro: a mudança de rumo da China terá repercussões para todos. O encontro ocorreu na sede do Banco de Compensações Internacionais (BIS) que, para permitir um fluxo “franco” de diálogo sobre a crise entre alguns dos atores mais poderosos da economia mundial, fechou o evento para a imprensa. Nenhum dos presentes, incluindo o presidente do BC brasileiro, Alexandre Tombini, deu entrevistas.

Mas, para os xerifes das finanças internacionais, a ameaça em relação à situação na China é a de que neutralize os primeiros sinais sustentáveis de crescimento registrados na Europa em quase dez anos. “Há dez anos, a China mudou o mapa da economia mundial. Agora, ela repete esse efeito. Mas de uma forma nada positiva”, disse, sob condição de anonimato, um dos economistas do BIS.

Nas últimas semanas, a volatilidade nas bolsas chinesas gerou uma queda de US$ 2,5 trilhões nos mercados pelo planeta. Mas, para os BCs, são os fundamentos da economia chinesa e as transformações no desenvolvimento do país que passam por um teste. As previsões apontam que a economia chinesa deve crescer, em média, 6,1% por ano entre 2016 e 2020, bem abaixo da média de 9,8% entre 1998 e 2009.

Base industrial. Parte da explicação para o freio é estrutural. O crescimento a taxas elevadas e a explosão na demanda estavam ligados diretamente às necessidades de uma base industrial que começava a surgir. Mas também estava ligado à construção de milhões de unidades de casas, carros e bens para milhões de chineses que, em 30 anos, deixaram o campo em direção às cidades. Do zinco ao cobre, de contêineres a guindastes, tudo faltava na China e a importação mudou a rota do comércio global.

Mas, hoje, esse êxodo rural perdeu força, a mão de obra encareceu e a indústria chinesa atingiu um certo nível de maturidade que impede saltos de crescimento como na década passada. Se o consumo continua e a China segue entre as maiores importadoras do mundo, a taxa de expansão não é a mesma.

O impacto, portanto, tem sido sentido tanto no mercado de ações como no chão das fábricas e no balanço fiscal de dezenas de governos, que passaram a ter o consumidor chinês como seu instrumentos de financiamento.

Hoje, de projetos ferroviários no interior da África a produtores agrícolas no Brasil, Austrália ou Canadá, o novo cenário já deixa um rastro de crise.

O S&P GSCI, maior índice de commodities no mercado de ações, caiu 32,5% em 2015 e, segundo os analistas, o tombo está diretamente relacionado com a China. O que deixa analistas preocupados é que o ano passado foi o terceiro consecutivo de perdas. No total, a queda já soma 55%. Em dezembro, o índice estava em seu ponto mais baixo em 16 anos, 80,5% inferior ao patamar de seu momento mais alto, em 2007.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX