1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Bendine sinaliza que Petrobrás pode buscar parcerias para exploração do pré-sal

- Atualizado: 16 Fevereiro 2016 | 15h 56

Estatal precisa captar recursos com venda de ativos este ano e pode buscar parceiros para viabilizar a continuidade dos investimentos no pré-sal

'Possibilidade de parcerias e coisas do gênero existem', diz Bendine

'Possibilidade de parcerias e coisas do gênero existem', diz Bendine

SANTOS - O presidente da Petrobrás, Aldemir Bendine, sinalizou hoje que as áreas do pré-sal também estão na lista de potenciais ativos a serem negociados pela estatal. Com o objetivo de captar US$ 14,4 bilhões com a venda de ativos até o final deste ano, a Petrobrás poderia buscar parceiros que viabilizassem a continuidade dos investimentos em áreas ultraprofundas.

"Possibilidade de parcerias e coisas do gênero existem", afirmou Bendine após ser questionado se a venda de ativos do pré-sal estava na lista de eventuais negócios. "Há 'N' modelos de se trabalhar nesse sentido. Há capacidade de a empresa fazer parcerias no sentido de exploração de determinado campo, onde o parceiro possa carregar os investimentos", complementou.

Bendine afirmou que não poderia dar detalhes dos modelos pensados pela diretoria da Petrobrás porque a divulgação de "detalhes técnicos" poderia afetar as negociações. "São negociações intensas e estamos com portfólio de discussão de desinvestimento muito amplo", afirmou o executivo durante breve conversa com jornalistas ocorrida na sede da estatal localizada na cidade de Santos, no litoral de São Paulo.

Bendine, que assumiu a presidência da estatal no ano passado, considera a redução do endividamento uma questão central dentro da Petrobrás, e por isso adota uma postura rigorosa em relação à capacidade da estatal em vender ativos. O foco da companhia, contudo, sempre foram ativos de áreas não relacionadas com a Exploração e Produção (E&P) de petróleo e gás, como a BR Distribuidora, de venda de combustíveis, ou térmicas de energia.

Leilões. Bendine confessou hoje que a Petrobrás teria dificuldades em participar neste momento de um eventual leilão de novas áreas de exploração de óleo e gás a serem concedidas no Brasil. O problema, segundo o executivo, é o baixo volume de recursos em caixa por parte da estatal.

"Se tivéssemos que enfrentar um processo de leilão, a empresa está com capacidade de caixa mais reduzido e teríamos dificuldade em relação a isso", afirmou Bendine. O executivo, na sequência, ponderou que o atual patamar do petróleo pode tornar pouco atrativa a concessão de novas áreas neste momento.

Ao final de setembro de 2015, dado mais recente disponibilizado pela Petrobrás, a Petrobrás possuía R$ 100 bilhões em caixa, além de R$ 4 bilhões em títulos públicos. As dívidas com vencimento entre outubro de 2015 e dezembro de 2016, por sua vez, somavam R$ 67,6 bilhões. Além disso, a Petrobrás tem planos de investir US$ 20 bilhões em 2016, número atualizado em janeiro deste ano. A princípio, a companhia previa desembolsos de US$ 27 bilhões apenas em 2016.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX