1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Benefício fiscal é faca de dois gumes

- Atualizado: 06 Março 2016 | 09h 23

Benesses para empresas causam mais distorções do que vantagens; um exemplo é o Simples, que inibe o crescimento dos negócios

Outra medida que precisa ser revista para fortalecer o fiscal, avaliam os especialistas, é rever a concessão de benefícios para empresas. Segundo o economista Bernard Appy, do Centro de Cidadania Fiscal, à primeira vista, eles parecem soluções, mas, na maioria dos casos, a perda de arrecadação é maior do que o retorno oferecido para o País.

Na lista de benefícios que precisam ser reavaliados está um dos mais populares: o Simples. Atualmente, ele é a maior fonte de renúncia fiscal do País: R$ 70 bilhões, 25% do total.

Quem utiliza, agradece. Destinado às empresas com faturamento bruto anual de até R$ 3,6 milhões, ele reúne oito tributos em uma única guia. Segundo dados da Receita Federal, a redução de carga tributária, em alguns casos, chega a quase 80%. No entanto, estudos mostram que o Simples não elevou a formalização, tem baixo efeito na geração de empregos e cria uma distorção grave: inibe o crescimento.

“Algumas empresas, se ultrapassarem o Simples, vão enfrentar uma carga tributária tão alta que partem para algumas ‘brechas da lei’ ou ficam do mesmo tamanho”, diz o contador Vicente Sevilha, do escritório Sevilha Contabilidade. O recomendado pelos especialistas em tributação é que o Simples fosse aperfeiçoado, para evitar esse baque, e que se promovesse uma reforma tributária, capaz de beneficiar empresas de todos os portes.

Enquanto a melhor medida não vem, os empresários enfrentam a distorção como podem. Dona de uma pequena fábrica de cosméticos em Guarulhos (SP), Mirian Porser é um bom exemplo. Há 20 anos, mantém uma linha de produtos de beleza, a Phytotratha, e atende seis empresas que terceirizam a produção. “Eu só estou com um turno e poderiam ser nove, mas não vale a pena crescer”, diz. Mirian chegou a ser procurada por uma empresa interessada em encomendar dela toda a produção de uma marca nova. Ao avaliar o impacto tributário, recusou. “Eu faturaria 20% mais, mas lucraria menos ao sair do Simples”, conta.

Outro expediente adotado por pequenos empresários que não querem sair do Simples é repartir a empresa em vários CNPJs, mas mantendo uma única estrutura física, prática considerada criminosa. Mas foi o que fez o uruguaio D.F., que prefere não ter o nome revelado. Há 14 anos, transformou o prédio que ocupa, numa esquina, em duas empresas diferentes: “Se entrar por uma rua, é uma empresa, vira a esquina, é outra. Mas é tudo a mesma coisa. Sei os riscos que corro, mas faturo 30% no Simples.” / COLABOROU A.S.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX