Divulgação
Divulgação

BNDES aprova R$ 1 bi para três complexos de energia eólica

Investimento será feito em projetos no CE, no RN e no RS; potencial de geração de energia previsto é de até 480,19 MW

Antonio Pita, O Estado de S. Paulo

09 Setembro 2015 | 13h53

RIO - O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento para três complexos de energia eólica no País, com volume total de recursos de R$ 1,07 bilhão. Os recursos contemplam dois financiamentos de longo prazo, para projetos no Ceará e no Rio Grande do Norte, além de empréstimo-ponte para um complexo com 12 usinas eólicas e linhas de transmissão no Rio Grande do Sul. A previsão é que os projetos tenham potencial de geração de até 480,19 MW.

O Complexo de Itarema (CE) receberá R$ 652,5 milhões, com potencial instalado de 207 MW. Ao todo, ele terá nove parques eólicos que serão construídos em duas fases, com previsão de inauguração completa até setembro do próximo ano. A primeira fase deverá entrar em operação em fevereiro com quatro usinas, segundo o banco de fomento. A expectativa é que o projeto gere 2,4 mil empregos diretos e 2,5 mil indiretos. Do total de recursos liberados, R$ 3,5 milhões serão aplicados em projetos sociais no entorno do complexo eólico, ainda não definidos.

Cada um dos parques eólicos do projeto constitui uma Sociedade de Propósito Específico (SPE), ligadas à Itarema Geração de Energia S.A., do fundo de investimentos Rio Energy, ligado à gestora de private equity americana Denham Capital.  De acordo com o BNDES, cada SPE foi beneficiada por financiamento da linha project finance. "Para cada uma foi feita uma operação nessa modalidade, em que o pagamento é calculado com base no fluxo de caixa das empresas", diz o banco, em nota.

O BNDES também liberou R$ 273 milhões para o projeto do Complexo Vamcruz, localizado na Serra do Mel (RN). O empreendimento é capitaneado pela holding de mesmo nome formada pela Centrais Hidroelétricas do São Francisco (Chesf), com 49%, em associação com o francês Grupo Voltalia (25,6%) e o cearense Encalso Construções LTDA (25,4%). Ao todo serão quatro parques eólicos com potencial de geração de 93 MW. Também está prevista a destinação de R$ 3 milhões para projetos sociais, como a expansão do abastecimento de água  na região.

O terceiro projeto contemplado pelo BNDES é o Complexo de Hermenegildo, nos municípios de Santa Vitória do Palmar e Chuí, no Rio Grande do Sul. Foram aprovados R$ 144,9 milhões em empréstimo-ponte para implantação de 12 usinas eólicas e seu sistema de transmissão. "O empréstimo-ponte visa agilizar a realização de investimentos por meio da concessão de recursos no período de estruturação da operação de longo prazo. Os pedidos de empréstimos-ponte foram apresentados pelas quatro SPEs constituídas pela Eletrosul em sociedade com a Renobrax para construir e operar as usinas", informou o banco.

As sociedades referentes ao empreendimento foram vencedoras do Leilão de Energia Nova, de novembro de 2013. O objetivo é a venda de energia por meio de Contratos de Comercialização de Energia no Ambiente Regulado (CCEAR), pelo período de 20 anos com contratos reajustados pelo IPCA. Ao todo, o potencial de geração é de 180,79 MW.

Mais conteúdo sobre:
BNDES Energia eólica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.