1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

BNDES prevê queda de 25% em crédito para mobilidade

- Atualizado: 15 Janeiro 2016 | 08h 10

Em 2015, banco liberou R$ 8,5 bi para projetos de transporte urbano, mas crise econômica travou novas expansões

RIO - Após um ciclo de alta puxado por investimentos de governos locais e avanços em parcerias público-privadas (PPP), os desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para os projetos de mobilidade urbana terão um tombo de 20% a 25% em 2016. Ano passado, o banco de fomento liberou R$ 8,5 bilhões para transportes urbanos.

A falta de dinheiro público para investir, diante da crise fiscal da União e dos Estados, inibe a chegada de mais projetos e, sem eles, 2017 também será ano de queda, informou Rodolfo Torres, chefe do Departamento de Mobilidade e Desenvolvimento Urbano do BNDES.

Até 2012, o BNDES vinha liberando, a cada ano, em torno de R$ 1 bilhão para investimentos em metrô e trens urbanos. De lá para cá, novos e maiores pedidos de empréstimos chegaram, incluindo a construção de linhas de VLT (Veículo Leve sobre Trilhos, o bonde moderno) e BRT (Bus Rapid Transit, os ônibus articulados em faixas exclusivas), muitos deles incluídos no chamado “legado” da Copa do Mundo de 2014 e da Olimpíada do Rio.

 
 

Alguns projetos de destaque dos últimos tempos são a Linha 6-Laranja do Metrô de São Paulo (R$ 9,5 bilhões em empréstimos), a Linha 18-Bronze (monotrilho na região do ABC, em São Paulo, com R$ 3,2 bilhões em empréstimos) e a Linha 4 do Metrô do Rio (R$ 6,6 bilhões).

Para o primeiro, o governo paulista já teve um financiamento de R$ 4,5 bilhões aprovado, mas o consórcio da PPP que toca as obras e operará a linha (formado por Odebrecht Transport, Queiroz Galvão, UTC Participações e Fundo Eco Realty) ainda aguarda a aprovação de empréstimo de R$ 5,5 bilhões – prometida ainda para este primeiro trimestre.

O projeto da Linha 18-Bronze tem dois pedidos em análise: R$ 1,2 bilhão do governo paulista e R$ 2 bilhões do consórcio responsável pela PPP (formado pela Primav, do grupo CR Almeida, Cowan, Encalso e a argentina Benito Roggio). Pelo menos um dos empréstimos está prometido para até o fim do primeiro semestre, disse o BNDES.

Daqui por diante, com a crise fiscal, não há projetos desse porte à vista do BNDES. Após a aprovação de empréstimo de R$ 2 bilhões para o Metrô de Salvador, tocado por uma PPP controlada pela CCR, só faltam mesmo o financiamento para a Linha 6-Laranja e os empréstimos para a Linha 18-Bronze.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX