Wilton Junior|Estadão
Wilton Junior|Estadão

BNDES tem de ter presença territorial mínima para reduzir desigualdade regional, diz Rabello

A ideia é que 'mesmo discretamente' o banco ocupe nos próximos meses uma presença mínima em todos os 26 Estados brasileiros e no Distrito Federal

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

20 Março 2018 | 19h45

RIO DE JANEIRO - O presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, potencial candidato à Presidência da República, afirmou nesta terça-feira, 20, que "mesmo discretamente" o banco vai ocupar nos próximos meses uma presença mínima em todos os 26 Estados brasileiros e no Distrito Federal. Segundo Rabello, o movimento é necessário para conseguir atingir um dos objetivos do banco, que é o desenvolvimento regional. 

"O BNDES não tem a mínima condição de atacar esse problema desigualdade regional como precisa e merece ser atacado se não for através de uma rede nacional de fomento", disse Rabello durante o lançamento oficial do Plano Estratégico do BNDES para o período 2018-2035, visando a colocar o País no rol dos países em desenvolvimento. O documento já tinha sido antecipado pelo Estadão/Broadcast.

Segundo ele, em alguns meses o banco vai ocupar "discretamente" uma presença territorial para acabar com o que ele chamou da "síndrome da Avenida Chile", referindo-se ao endereço do banco no Rio de Janeiro.

++ Caixa vai reter lucro de 2017 para reforçar capital e emprestar mais

"Tirando o que eu considero a verdadeira síndrome da Avenida Chile, ter dois ou três BNDES em cada capital dos 27 Estados, incluindo o banco, de forma que possa ter efetiva presença que apoie as questões regionais, os governadores de Estados e seja uma presença mais próxima na interlocução com os municípios, temos que atuar nessa rede de cidades", defendeu Rabello. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.