Bolsa cai mais de 3% e dólar bate R$ 1,74 por IOF a estrangeiro

Decisão de taxar a entrada de capital externo impacta o mercado financeiro nacional nesta terça-feira

Reuters e Agência Estado,

20 Outubro 2009 | 12h50

A reação negativa do mercado ao início da tributação sobre investimentos de estrangeiros em ações e renda fixa ganhava força nesta terça-feira, 20. Às 15h03 (de Brasília), o Ibovespa, principal índice de ações da bolsa brasileira, exibia queda de 3,56%, aos 64.846 pontos. O dólar estendia a alta frente ao real para 2,51%, cotado a R$ 1,749.

 

 

Veja também:

linkMercados da Ásia avançam por commodities e resultado da Apple

linkBrasil terá entrada forte de capital até 2010, prevê Moody´s

linkTaxação não deve afastar investidor estrangeiro, diz Dilma

linkEfeito do novo IOF é limitado, diz diretor do FMI

linkApós IOF, gestores alteram estratégias de investimento no País

 

A alíquota de 2% de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre aplicações de investidores não residentes, anunciada na segunda-feira, 19, pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, entrou em vigor nesta terça-feira. O imposto será cobrado apenas na entrada do dinheiro, e não haverá diferença entre recursos de curto e de longo prazo. O investimento estrangeiro direito (IED) continua isento.

 

O real é uma das moedas que mais se valorizaram ante o dólar em 2009. Até a última quinta-feira, a moeda brasileira ocupava o topo do ranking dos maiores ganhos, com quase 29%. A seguir, vinha o rand sul-africano, perto de 28%. No acumulado até segunda-feira, 19, o dólar caía 26,72% ante o real. Na segunda, a moeda americana subiu 0,06% e fechou a R$ 1,711.

 

Europa fecha em baixa e NY cai

 

Os principais índices do mercado de ações europeu encerraram o pregão em queda nesta terça-feira pressionados por números mais fracos que o esperado do setor imobiliário nos EUA e sob forte declínio no Barclays, alvo de uma venda parcial pelo Qatar, que pressionou as ações de bancos. 

 

Londres fechou em baixa de 0,72%, Paris recuou 0,54%, Frankfurt perdeu 0,70% e Madri cedeu 0,75%. O índice FTSEurofirst 300, que acompanha as principais empresas da Europa, fechou com desvalorização de 0,39%, aos 1.022 pontos, após atingir 1.031 pontos na sessão anterior, maior patamar em 12 meses.

 

Nos EUA, os índices também operam em leve queda, puxados pelos dados das obras residenciais no país e com investidores digerindo informações mistas apresentadas nos balanços de companhias como Caterpillar, Coca-Cola e Dupont. Às 13h09 (de Brasília), o Dow Jones caía 0,24%, para 10.068 pontos; Nasdaq cedia 0,21%, para 2.171 pontos; e o S&P 500 recuava 0,27%, para 1.094 pontos. 

 

No índice Dow Jones, as perdas eram puxadas pelas ações de empresas como a Caterpillar, cujas ações recuavam 1,61%. A companhia divulgou um lucro superior à expectativa de analistas para o terceiro trimestre, alimentado por medidas de corte de custo. A receita, no entanto, encolheu 44% em comparação a igual período do ano passado.

 

Outros componentes do Dow Jones também apresentaram queda em suas respectivas receitas. A Coca-Cola caía 0,06% após divulgar que seu lucro permaneceu estável no terceiro trimestre mesmo diante de um aumento nas vendas. A receita da empresa diminuiu 4% em relação ao terceiro trimestre de 2008, pressionada por flutuações cambiais.

 

Entre os componentes do Nasdaq, a Apple subia 5,64% após divulgar na terça-feira que seu lucro do quarto trimestre fiscal cresceu 47% em relação a igual período de 2008 e que a receita também aumentou. Os resultados da companhia superaram com folga as previsões de analistas.

 

Texto atualizado às 15h

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.