Divulgação
Divulgação

Bolsa Família deixa de atender mais de 326 mil casas em 2017, revela IBGE

Em 2017, o IBGE contabilizou 69,8 milhões de domicílios no Brasil em 2017, aumento de quase 1% em relação ao ano anterior

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

11 Abril 2018 | 19h42

RIO - O número de residências atendidas pelo Programa Bolsa Família sofreu uma  redução de 3,3% em 2017. Segundos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, divulgada nesta quarta-feira, 11, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), houve uma queda de 326.043 casas atendidas pelo programa de transferência de renda no ano passado.

+ Morre idealizadora do Bolsa Família

Em 2017, o IBGE contabilizou 69,8 milhões de domicílios no Brasil em 2017, aumento de quase 1% em relação ao ano anterior. O número de casas que recebiam o Bolsa Família, no entanto, caiu de  9.865.520 em 2016 para 9.539.477 no ano passado.

Em volume porcentual, houve queda de domicílios beneficiados pelo Programa de 14,3% em 2016 para 13,7% em 2017. Apesar da queda, as regiões Norte (25,8%) e Nordeste (28,4%) permaneceram com maiores porcentuais de beneficiários.

+ Bolsa Família não reduz pobreza, diz ministro

Os domicílios que recebiam o Bolsa Família tinham renda média mensal real per capita de apenas R$ 324 no ano passado. Nos lares que não possuíam necessidade do benefício de transferência de renda do governo, o rendimento médio por habitante subia a R$ 1.489.

Em 2017, 60,2% da população brasileira, ou 124,6 milhões de pessoas, tinham algum tipo de rendimento, sendo 41,9% (86,8 milhões de indivíduos) provenientes de todos os trabalhos e 24,1% (50,0 milhões) originários de outras fontes.

Entre os rendimentos de outras fontes, o mais frequente era a aposentadoria ou pensão, recebido por 14,1% da população com alguma renda, seguido por pensão alimentícia, doação ou mesada de não morador (2,4%); aluguel e arrendamento (1,9%); e outros rendimentos (7,5%), categoria que inclui seguro-desemprego, programas de transferência de renda (como o Bolsa Família) e poupança, entre outros.

O rendimento médio de todas as fontes foi de R$ 2.112 em 2017. O rendimento médio real efetivo de todos os trabalhos alcançou R$ 2.237, enquanto a renda média mensal real apenas de outras fontes foi de R$ 1.382. A renda média obtida por aposentadoria ou pensão foi de R$ 1.750.

Riqueza. Outro dado da Pnad, diz respeito à riqueza nacional, que segue concentrada nas mãos de poucos. As pessoas que faziam parte do topo da pirâmide, aquele 1% da população brasileira com rendimentos mais elevados, recebiam 36,1 vezes o que ganha a metade mais pobre da população, que compõe a base da pirâmide, em 2017.

A região Nordeste exibiu a maior concentração de riqueza no ano passado, com 1% dos mais ricos recebendo 44,9 vezes mais do que a metade mais pobre. A menor diferença foi registrada no Sul do País, onde a parcela de 1% com renda mais alta ganhava 25 vezes mais que a metade de renda mais baixa.

No ano de 2017, o Brasil ainda tinha até 5% da população trabalhadora com rendimento médio mensal de apenas R$ 47. Resultado representa ainda uma queda drástica em relação aos R$ 76 recebidos no ano anterior, o equivalente a uma redução de 38%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.