Assine o Estadão
assine

Economia

Bovespa

Dólar cai para R$ 4,02 nesta sexta, mas fecha janeiro com alta de 1,5%

Adoção de taxa de juros negativa pelo BC do Japão trouxe ânimo ao mercado acionário global; Bovespa disparou hoje, mas ainda acumula perda de quase 7% no ano

0

O Estado de S.Paulo

29 Janeiro 2016 | 14h07
Atualizado 29 Janeiro 2016 | 18h46

A Bovespa disparou nesta sexta-feira, 29, enquanto o dólar caiu para a cotação de R$ 4,02. Os mercados financeiros globais registraram forte ganho hoje em resposta à adoção de uma política de taxas de juros negativas pelo Banco Central do Japão (BoJ). A moeda americana chegou a oscilar abaixo dos R$ 4,00 no período da tarde e terminou em queda de 1,5% no fim do dia. Em janeiro, contudo, a divida acumula valorização de 1,5% em relação ao real.

A Bolsa fechou em alta de 4,60% e minimizou parte do prejuizo de janeiro. Ainda assim, acumula perdas de quase 7% só no primeiro mês do ano. Petrobrás terminou hoje em alta de 6,29% na ON (-19,14% em janeiro) e de 5,22% na PN (-27,76% em janeiro). Vale terminou em alta, apesar da notícia de que a empresa vai propor ao conselho de administração uma remuneração mínima aos acionistas "igual a zero" durante este ano. A ação ON avançou 4,18% e a PNA, 2,12%. Em janeiro, acumularam -25,4% e -29,37%, respectivamente.

O estímulo dado pelo BC do Japão à economia fez investidores comprarem ações na Ásia, na Europa, nos EUA e também em praças menores, como o Brasil. As cotações do petróleo foram para cima e o dólar sustentou perdas ante várias divisas de países exportadores de commodities, como o real.

Câmbio. No mercado de câmbio, também pesou a formação da ptax - taxa de referência para o mercado de câmbio - para liquidação dos derivativos cambiais de fevereiro, fazendo comprados e vendidos disputarem taxa desde o início da sessão. Tanto que o dólar abriu em leve queda para, na sequência, saltar para o positivo sem que, no exterior, houvesse volatilidade semelhante. 

Dados divulgados nos EUA mostraram que o país reduziu o ritmo de crescimento no quarto trimestre - PIB de 0,7% em valores anualizados no quarto trimestre de 2015, ante expectativa de 0,8% e taxa de 2% no período anterior. O anúncio do BoJ, contudo, de colocar os juros em território negativo, em -0,1%, e ainda manter o programa de compras de ativos de US$ 673 bilhões, já havia animado os investidores.

(Com informações da Agência Estado)

Mais conteúdo sobre:

Comentários