1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Dólar cai para R$ 4,02 nesta sexta, mas fecha janeiro com alta de 1,5%

- Atualizado: 29 Janeiro 2016 | 18h 46

Adoção de taxa de juros negativa pelo BC do Japão trouxe ânimo ao mercado acionário global; Bovespa disparou hoje, mas ainda acumula perda de quase 7% no ano

A Bovespa disparou nesta sexta-feira, 29, enquanto o dólar caiu para a cotação de R$ 4,02. Os mercados financeiros globais registraram forte ganho hoje em resposta à adoção de uma política de taxas de juros negativas pelo Banco Central do Japão (BoJ). A moeda americana chegou a oscilar abaixo dos R$ 4,00 no período da tarde e terminou em queda de 1,5% no fim do dia. Em janeiro, contudo, a divida acumula valorização de 1,5% em relação ao real.

A Bolsa fechou em alta de 4,60% e minimizou parte do prejuizo de janeiro. Ainda assim, acumula perdas de quase 7% só no primeiro mês do ano. Petrobrás terminou hoje em alta de 6,29% na ON (-19,14% em janeiro) e de 5,22% na PN (-27,76% em janeiro). Vale terminou em alta, apesar da notícia de que a empresa vai propor ao conselho de administração uma remuneração mínima aos acionistas "igual a zero" durante este ano. A ação ON avançou 4,18% e a PNA, 2,12%. Em janeiro, acumularam -25,4% e -29,37%, respectivamente.

O estímulo dado pelo BC do Japão à economia fez investidores comprarem ações na Ásia, na Europa, nos EUA e também em praças menores, como o Brasil. As cotações do petróleo foram para cima e o dólar sustentou perdas ante várias divisas de países exportadores de commodities, como o real.

Câmbio. No mercado de câmbio, também pesou a formação da ptax - taxa de referência para o mercado de câmbio - para liquidação dos derivativos cambiais de fevereiro, fazendo comprados e vendidos disputarem taxa desde o início da sessão. Tanto que o dólar abriu em leve queda para, na sequência, saltar para o positivo sem que, no exterior, houvesse volatilidade semelhante. 

Dados divulgados nos EUA mostraram que o país reduziu o ritmo de crescimento no quarto trimestre - PIB de 0,7% em valores anualizados no quarto trimestre de 2015, ante expectativa de 0,8% e taxa de 2% no período anterior. O anúncio do BoJ, contudo, de colocar os juros em território negativo, em -0,1%, e ainda manter o programa de compras de ativos de US$ 673 bilhões, já havia animado os investidores.

(Com informações da Agência Estado)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX