1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Delação de Delcídio influencia Bolsa, que fecha em alta de 5%; dólar cai e vai a R$ 3,81

- Atualizado: 03 Março 2016 | 18h 33

Notícia de que o senador teria citado Dilma na Lava Jato reforça percepção do mercado de que o cerco se fecha para o governo

SÃO PAULO - O cenário político foi o combustível da alta da Bovespa e da queda do dólar nesta quinta-feira. O Índice Bovespa renovou máximas ao longo do dia, respondendo aos desdobramentos do acordo de delação premiada de Delcídio do Amaral (PT-MS), e fechou em alta de 5,12%, aos 47.193,39 pontos. O dólar à vista recuou 2,07%, e fechou cotado a R$ 3,8102, menor valor desde 10 de dezembro de 2015.

Entre as maiores altas do Ibovespa estão os papéis da Petrobrás, do Banco do Brasil e da Gerdau. As ações da petroleira subiram 12,47% (ON) e 15,40% (PN), enquanto os da metalúrgica tiveram alta de 15,20%. O movimento altista aconteceu em um dia de forte giro financeiro, com estrangeiros na ponta compradora. Assim como ocorreu no pregão de ontem, o que se observou hoje é um movimento de zeragem de posições vendidas, segundo um operador ouvido pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.

Após a notícia de que o senador Delcídio fez delação premiada, a presidente Dilma Rousseff se reuniu emergencialmente com ministros para definir as estratégias do governo. No fim da tarde, foi divulgada uma nota na qual a presidente afirma repudiar o uso de vazamentos como arma política. A oposição também aproveitou o momento para traçar novos planos na direção do afastamento de Dilma. Após uma hora de reunião, partidos de oposição na Câmara e no Senado anunciaram que farão um aditamento ao pedido de impeachment da presidente Dilma na próxima segunda-feira. A oposição pretende mostrar que houve ingerência da presidente Dilma nas investigações da Operação Lava Jato e que isso a impede de seguir na presidência da República. 

Citado na delação premiada de Delcídio, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se defendeu há pouco, por meio de nota divulgada pelo Instituto Lula. A nota afirma que Lula jamais participou de ilegalidade. “O ex-presidente Lula jamais participou, direta ou indiretamente, de qualquer ilegalidade, seja nos fatos investigados pela operação Lava Jato, ou em qualquer outro, antes, durante ou depois de seu governo”, afirmou o Instituto Lula.

A reação positiva do mercado é justificada pela percepção predominante entre os investidores de que o avanço das delações premiadas aumenta as chances de um afastamento da presidente Dilma Rousseff, o que em tese abriria espaço para a resolução do impasse político que trava o avanço do País na busca pelo ajuste fiscal.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX