1. Usuário
E&N
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

BR Distribuidora terá novo presidente até abril

- Atualizado: 29 Janeiro 2016 | 22h 05

Apesar da crise enfrentada pela Petrobrás, não há dificuldade em pagar ao executivo salário compatível com os do mercado, diz presidente do conselho da BR

RIO - A BR Distribuidora terá um novo presidente, escolhido entre nomes da iniciativa privada, até abril, quando os acionistas vão se reunir em assembleia. Segundo o presidente do conselho de administração da BR, Segen Estefen, apesar da crise enfrentada pela Petrobrás, não há dificuldade em pagar ao executivo salário compatível com os do mercado. Para isso, a empresa mantém negociação com o governo federal.

“Temos até excesso de nomes. O problema é definir rápido. Isso é um processo. São uns cinco nomes. Não há essa crise, ao contrário. São nomes expressivos, de fora da empresa. Buscamos oferecer um salário compatível com o do mercado. Para isso, estamos discutindo com o governo. O País está em crise”, contestou Estefen.

BR Distribuidora é a subsidiária de combustíveis da Petrobrás

BR Distribuidora é a subsidiária de combustíveis da Petrobrás

Lava Jato. A BR Distribuidora está sendo presidida interinamente desde setembro do ano passado, quando José Lima Neto, que esteve à frente da empresa por seis anos, renunciou ao cargo alegando problemas de saúde.

A sua permanência ficou insustentável depois que vieram à tona, na Operação Lava Jato, denúncias contra o ex-ministro Edison Lobão, responsável pela sua indicação.

No mesmo período das denúncias, a administração da BR passou a ser alvo de crítica dentro da Petrobrás. Murilo Ferreira, ex-presidente do conselho de administração da petroleira, condicionou o projeto de abertura do capital da empresa, que estava em estudo na época, à profissionalização da gestão da distribuidora. Foi então planejado chamar para a presidência um executivo com experiência em varejo. A meta permaneceu, mesmo após a saída de Ferreira do conselho da Petrobrás.

A contratação de um profissional da iniciativa privada está em linha com a estratégia definida para todo o grupo. Ao apresentar o plano de reestruturação da Petrobrás, na quinta-feira, o presidente da companhia, Aldemir Bendine, destacou que “não convive com indicações políticas”.

Hoje, a BR é presidida interinamente pelo diretor de Operações e Logística, Ivan de Sá Pereira Júnior. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em EconomiaX