Bradesco compra BBV por R$ 2,6 bilhões

O Bradesco está assumindo o BBV no Brasil, em uma operação estimada em R$ 2,6 bilhões, confirmada nesta segunda-feira pelos dois bancos, no Brasil e na Espanha. O negócio vinha sendo debatido pelas duas partes há meses. E o próprio Bradesco, através de sua diretoria, sempre confirmou que se surgisse uma oportunidade para a compra de um banco, o faria. O comunicado distribuído pelo Bradesco há pouco é o seguinte, na integra: "O Banco Bradesco S.A. (Bradesco) comunica aos seus acionistas, clientes e ao mercado em geral que firmou com o Banco Bilbao Vizcaya Argentaria, S.A. (BBVA), controlador do Banco Bilbao Vizcaya Argentaria Brasil S.A. (BBV Brasil), em 10 de janeiro de 2003, "Instrumento Particular de Compromisso de Integração Empresarial e Outros Pactos". A operação envolve a transferência para o Bradesco das ações detidas pelo BBVA no BBV Brasil, representativas de 99,99% do seu capital social, em contrapartida à participação pelo BBVA em ações ordinárias e preferenciais, correspondentes a 4,5% por espécie do capital social do Bradesco, equivalente na data da proposta a R$630 milhões (cotação de Bolsa), além do pagamento de R$2 bilhões aproximadamente. As ações a serem atribuídas ao BBVA serão emitidas em Assembléia Geral Extraordinária a ser realizada no fechamento da operação, oportunidade em que o BBV Brasil será convertido em subsidiária integral do Bradesco, nos termos do Artigo 252 da Lei no 6.404/76. A concretização da operação está subordinada à aprovação das autoridades competentes e dos resultados da "due diligence" a ser concluída dentro do prazo de 30 (trinta) dias da disponibilização das Demonstrações Financeiras relativas ao exercício social de 2002. O negócio inclui também as empresas controladas direta e indiretamente pelo BBV Brasil, destacando BBV Gestão de Recursos - Banco de Investimento S.A., BBV Cartões, Crédito, Financiamento e Investimento S.A., BBV Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários Ltda. e BBV Leasing Brasil S.A. Arrendamento Mercantil. Com essa operação, o Bradesco reafirma os objetivos de fortalecer sua presença e atuação no mercado e ampliar ganhos de eficiência e escala, agregando valor aos seus acionistas. Essa negociação prevê a celebração de um acordo de acionistas que contemple o direito do BBVA de nomear 1 (um) membro no Conselho de Administração do Bradesco, além da criação de uma "Spanish Desk" para responder pelo relacionamento com as empresas espanholas no Brasil, bem como possibilitar a análise, implementação e ampliação de negócios entre o BBVA e o Bradesco. É intenção do Bradesco que o BBV Brasil continue a atender aos seus clientes da forma habitual, os quais passarão também a contar, após a conclusão da operação, com todos os produtos, serviços e comodidades oferecidos pelo Bradesco. O Banco Espírito Santo, S.A. assessorou o Bradesco na operação.

Agencia Estado,

13 Janeiro 2003 | 07h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.