Brasil e Uruguai fecham novo acordo automotivo

Foi estabelecido ainda um cronograma de negociações com quatro reuniões até o fim do ano para chegar a um acordo permanente

Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

01 Setembro 2015 | 02h03

BRASÍLIA - Brasil e Uruguai fecharam um novo acordo automotivo provisório para permitir um maior comércio de veículos e autopeças entre os dois países. O entendimento valerá até o fim do ano, quando deve sair um acordo permanente.

Até agora, o acordado era que o Brasil só poderia vender ao Uruguai, sem pagar imposto de importação, uma cota de 8,5 mil veículos e US$ 99,6 milhões em autopeças por ano, que valeria entre junho de 2015 e julho de 2016. Com o novo acordo, a cota mais que dobra: valerá para este semestre (julho a dezembro de 2015) e passará a ser de 10.056 veículos e US$ 99,6 milhões em autopeças.

O secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Daniel Godinho, comemorou o acordo provisório e disse ao Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, que as perspectivas para o entendimento definitivo são excelentes. "Vamos buscar um acordo permanente para a ampliação do acesso de produtos brasileiros ao mercado uruguaio e do comércio bilateral entre os países", completou.

Foi estabelecido ainda um cronograma de negociações com quatro reuniões até o fim do ano para chegar a um acordo permanente. De acordo com fontes ouvidas pelo Broadcast, o Brasil quer que a cota anual seja superior a 20 mil veículos, o que representaria quase metade do mercado uruguaio.

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo acordo Uruguai carros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.